Augustus - Augustus


Da Wikipédia, a enciclopédia livre

Augustus
Estátua-Augustus.jpg
Imperador do Império Romano
Reinado 16 jan 27 aC -
19 agosto AD 14
Antecessor escritório estabelecido
Sucessor Tiberius
Nascermos Caio Otávio Turino
23 de setembro 63 aC
Roma , República Romana
Morreu 19 de agosto AD 14 (com 75 anos)
Nola , Italia , Império Romano
Enterro
Cônjuge
Questão Julia, o Velho
nome de reinado
Imperator Caesar Divi Filius Augustus
casa Dinastia Júlio-Claudiana
Pai
Mãe Atia Balba Caesonia
dinastias imperiais romanas
Dinastia Júlio-Claudiana
Augustus Bevilacqua Glyptothek Munique 317.jpg
Um busto de Augusto, vestindo a coroa cívica . Glyptothek , Munich .
Cronologia
Augustus 27 aC - 14 dC
Tiberius 14-37 dC
Caligula 37-41 dC
Claudius 41-54 dC
Nero 54-68 dC
Família
Gens Julia
Gens Claudia
Julio-Claudian árvore genealógica
Categoria: Dinastia Júlio-Claudiana
Sucessão
Precedido por
República Romana
Seguido por
ano dos quatro imperadores

Augustus ( Latin : Imperator Caesar Divi filius Augustus ; 23 de setembro 63 aC - 19 de agosto AD 14) foi um romano estadista e líder militar que foi o primeiro imperador do Império Romano , controlando Roma Imperial de 27 aC até sua morte, em 14 AD. seu status como o fundador do Principado Roman consolidou um legado duradouro como um dos líderes mais eficazes e controversos da história da humanidade.

Ele nasceu Caio Otávio Turino em um velho e rico ramo equestre dos plebeus gens Octavia . Sua materna tio-avô Júlio César foi assassinado em 44 aC, e Octavius foi nomeado no testamento de César como seu adotada filho e herdeiro. Junto com Mark Antony e Marcus Lépido , formou o Segundo Triunvirato para derrotar os assassinos de César. Após a sua vitória na batalha de Filipos , o Triunvirato dividiu a República Romana entre si e governou como ditadores militares . O Triunvirato acabou por ser dilacerado pelas ambições concorrentes de seus membros. Lépido foi levado para o exílio e despojado de sua posição, e Antony cometeu suicídio depois de sua derrota na batalha de Actium por Octavian em 31 aC.

Após o fim da Segunda Triunvirato, Augustus restaurou a fachada externa da República livre, com o poder governamental investido no Senado romano , os magistrados executivos , e as assembléias legislativas . Na realidade, porém, ele manteve seu poder autocrático sobre a República como um ditador militar. Por lei, Augustus realizada uma coleção de poderes conferidos a ele por toda a vida pelo Senado, incluindo o comando militar supremo , e aqueles de tribuna e censor . Demorou alguns anos para Augustus para desenvolver o quadro em que um estado formalmente republicano poderia ser conduzido sob a sua única regra. Ele rejeitou títulos monárquicos e, em vez chamou a si mesmo Princeps Civitatis ( "Primeiro Cidadão do Estado"). O resultando quadro constitucional ficou conhecido como o Principado , a primeira fase do Império Romano .

O reinado de Augusto iniciou uma era de relativa paz conhecida como a Pax Romana . O mundo romano foi em grande parte livre de conflitos em larga escala por mais de dois séculos, apesar das guerras contínuas de expansão imperial nas fronteiras do Império e da guerra civil que durou um ano conhecido como o " ano dos quatro imperadores " sobre a sucessão imperial. Augusto ampliou drasticamente o Império, anexando o Egito , Dalmácia , Pannonia , Noricum , e Raetia , expandindo posses na África , e completando a conquista de Hispania , mas sofreu um grande revés em Germania . Além das fronteiras, ele garantiu o Império com uma região tampão de estados clientes e em paz com o Império Parto através da diplomacia. Ele reformou o sistema romano de tributação, desenvolveu redes de estradas com um sistema de correio oficial , estabeleceu um exército permanente, estabeleceu a Guarda Pretoriana , criados oficiais da polícia e serviços de combate a incêndios para Roma, e reconstruída grande parte da cidade durante o seu reinado. Augusto morreu no ano 14 dC com a idade de 75, provavelmente de causas naturais. No entanto, havia rumores não confirmados de que sua esposa Livia o envenenou. Foi sucedido como o imperador pelo seu filho adotivo (também enteado e ex-filho-de-lei) Tibério .

Nome

Como consequência da costumes romanos , da sociedade, e de preferência pessoal, Augusto ( / ɔ ɡ ʌ s t ə s , ə ɡ ʌ s - / ; latim clássico:  [awɡʊstʊs] ) era conhecido por muitos nomes ao longo de sua vida:

  • Caio Otávio Turino ( / ɒ k t v i ə s / ): Ele recebeu seu nome de nascimento , depois do seu pai biológico , em 63 aC. " Caio " foi o seu prenome , " Octavius " era o seu nomen , e "Turino" foi o seu cognome . Mais tarde, seu rival Mark Antony usou o nome "Turino" como um insulto, ao qual respondeu Augusto, surpreso que "usando seu antigo nome foi pensado para ser um insulto".
  • Gaius Julius Caesar : Depois que ele foi adotado por Júlio César, ele adotou o nome de César em conformidade com a convenção romana de nomes . Enquanto ele deixou cair todas as referências à família Octavius, as pessoas coloquialmente acrescentou o epíteto Octavianus ao seu nome legal, seja para diferenciá-lo de seu pai adotivo ou para realçar suas origens mais modestas. Historiadores modernos se referem a ele usando o latinizada forma "Otaviano" ( / ɒ k t v i ə n / ) entre 44 aC e 27 aC.
  • Gaius Julius Caesar Divi Filius : Dois anos após sua adoção, ele fundou o Templo de César , adicionalmente, adicionando o título Divi Filius ( "Filho do Divino") ao seu nome na tentativa de fortalecer seus laços políticos aos ex-soldados de César, seguindo a deificação de César.
  • Imperator Caesar Divi Filius : De 38 aC, Otaviano optou por usar Imperator , o título pelo qual tropas saudaram seu líder após o sucesso militar. Seu nome é traduzido aproximadamente como "Comandante César, filho do Divino".
  • Imperator Caesar Divi Filius Augustus : Depois de sua derrota 31 aC de Marco Antônio e Cleópatra , em parte por sua própria insistência, o Senado romano concedeu-lhe o nome adicional, " Augustus ", que acrescentou aos seus nomes anteriores depois.. Historiadores usar esse nome para se referir a ele a partir de 27 aC até sua morte em 14 AD.

Vida pregressa

Enquanto sua família paterna era da cidade de Velletri , cerca de 40 quilômetros (25 milhas) de Roma, Augustus nasceu na cidade de Roma em 23 de Setembro de 63 aC. Ele nasceu em Ox Head, uma pequena propriedade no Monte Palatino , muito perto do Fórum Romano . Ele recebeu o nome de Caio Otávio Turino, seus cognome possivelmente comemorando a vitória de seu pai em Thurii sobre uma banda rebelde de escravos . Suetônio escreveu: "Há muitas indicações de que a família Octavian era antigamente um distinto em Velitrae, pois não só era uma rua na parte mais frequentada da cidade há muito tempo chamado de Octavian, mas um altar foi mostrado lá, além disso, consagrada por um Octavius. Este homem era o líder em uma guerra com uma cidade vizinha ..."

Devido à natureza lotado de Roma na época, Otávio foi levado para aldeia natal de seu pai em Velletri a ser levantada. Octavius menciona apenas de seu pai equestre família brevemente em suas memórias. Seu bisavô paterno Caio Otávio era um tribuno militar na Sicília durante a Segunda Guerra Púnica . Seu avô tinha servido em vários cargos políticos locais. Seu pai, também chamado Gaius Octavius , tinha sido governador da Macedônia . Sua mãe, Atia , era sobrinha de Júlio César.

Uma moeda de prata de 44 aC, mostrando Júlio César no anverso e a deusa Vénus no verso da moeda.

Em 59 aC, quando ele tinha quatro anos, seu pai morreu. Sua mãe se casou com um ex-governador da Síria, Lucius Marcius Philippus . Philippus alegou descendência de Alexandre, o Grande , e foi eleito cônsul em 56 aC. Philippus nunca teve muito interesse no jovem Otávio. Devido a isso, Octavius foi criado por sua avó, Julia , irmã de Júlio César.

Julia morreu em 52 ou 51 aC, e Otávio entregou a oração fúnebre para sua avó. A partir deste ponto, a mãe eo padrasto assumiu um papel mais ativo em levantar ele. Ele vestiu a toga virilis quatro anos mais tarde, e foi eleito para o Colégio de Pontífices em 47 aC. No ano seguinte, ele foi colocado no comando dos jogos gregos que foram encenadas em homenagem ao Templo de Vênus Genetrix , construído por Júlio César. De acordo com Nicolau de Damasco , Octavius quisessem se juntar a equipe de César para sua campanha na África , mas cedeu quando sua mãe protestou. Em 46 aC, ela consentiu para ele se juntar a César em Hispania, onde planejava lutar contra as forças de Pompeu , tarde inimigo de César, mas Octavius ficou doente e não pôde viajar.

Quando se recuperou, ele partiu para a frente, mas foi náufragos ; depois de chegar em terra com um punhado de companheiros, ele cruzou um território hostil para o acampamento de César, que impressionou consideravelmente seu tio-avô. Veleio Paterculus relata que após esse tempo, César permitiu que o jovem a compartilhar sua carruagem. Quando em Roma, César depositou uma nova vontade com as Virgens Vestais , nomeando Octavius como o principal beneficiário.

Subir ao poder

Herdeiro de César

A morte de César , por Jean-Léon Gérôme (1867). Em 15 de março de 44 aC, pai adotivo Octavius' Júlio César foi assassinado por uma conspiração liderada por Marcus Junius Brutus e Caio Cássio Longino . Walters Art Museum , Baltimore .

Octavius estava estudando e passando por treinamento militar em Apollonia , Ilíria , quando Júlio César foi assassinado nos Idos de Março (15 de Março) 44 aC. Ele rejeitou o conselho de alguns oficiais do exército a refugiar-se com as tropas na Macedônia e partiu para a Itália para verificar se ele tinha alguma sorte política potenciais ou segurança. César não tinha que vivem filhos legítimos sob a lei romana, e assim tinha adotado Octavius, seu sobrinho-neto, fazendo-o seu herdeiro primário. Mark Antony posteriormente denunciou que Otaviano tinha ganhado seu adoção por César através de favores sexuais, embora Suetônio descreve a acusação de Antony como calúnia política . Após o desembarque no Lupiae perto Brundisium , Octavius aprendido o conteúdo do testamento de César, e só então decidir se tornar herdeiro político de César, bem como herdeiro de dois terços de sua propriedade.

Após a sua aprovação, Octavius assumiu o nome de seu tio-avô Gaius Julius Caesar. Cidadãos romanos adotados em uma nova família geralmente mantiveram seus antigos nomen em forma cognome (por exemplo, Octavianus para aquele que tinha sido um Octavius, Aemilianus para aquele que tinha sido um Aemilius, etc.). No entanto, embora alguns de seus contemporâneos fizeram, não há nenhuma evidência de que Octavius nunca se utilizado oficialmente o nome Octavianus , como teria feito suas origens modestas muito óbvio. Os historiadores costumam se referir ao novo César como Octavian durante o tempo entre a sua adopção ea sua suposição do nome Augusto em 27 aC, a fim de evitar confundir o ditador morto com seu herdeiro.

Octavian não podia contar com seus recursos limitados para fazer uma entrada bem sucedida nos escalões superiores da hierarquia política romana. Após uma recepção calorosa por soldados de César em Brundisium, Octavian exigiu uma parte dos fundos que tenham acedido por César para a guerra destina contra o Império Parto no Oriente Médio. Este valor correspondeu a 700 milhões de sestércios armazenados em Brundisium, o chão encenando na Itália para operações militares no leste.

Uma investigação senatorial mais tarde sobre o desaparecimento dos fundos públicos não tomou nenhuma ação contra a Octavian, já que ele posteriormente utilizado esse dinheiro para levantar tropas contra do Senado arquiinimigo Mark Antony. Otaviano fez outra jogada ousada em 44 aC, quando, sem permissão oficial, ele se apropriou do tributo anual que havia sido enviado de Roma do Oriente Próximo província para a Itália.

Octavian começou a reforçar suas forças pessoais com veteranos de César legionários e com as tropas designadas para a guerra parta, reunindo apoio ao enfatizar sua condição de herdeiro de César. Em sua marcha para Roma através da Itália, a presença de Otaviano e fundos recém-adquiridas atraído muitos, ganhando mais antigos veteranos de César estacionados na Campania . Em junho, ele tinha reunido um exército de 3.000 veteranos leais, pagando a cada um salário de 500 denários .

tensões crescentes

Uma estátua reconstruído de Augusto como um jovem Otaviano, datada ca. 30 aC

Chegando em Roma em 6 de Maio 44 aC, Otaviano encontrado cônsul Marco Antônio, ex-colega de César, em uma desconfortável trégua com assassinos do ditador. Eles haviam sido concedida uma anistia geral em 17 de março, ainda Antony tinha sucedido em dirigir a maioria deles fora de Roma com um elogio inflamatória no funeral de César, montagem opinião pública contra os assassinos.

Mark Antony foi acumulando apoio político, mas Octavian ainda teve oportunidade de rivalizar com ele como o membro líder da facção apoiar César. Mark Antony tinha perdido o apoio de muitos romanos e partidários de César quando ele inicialmente se opôs ao movimento para elevar Caesar ao status divino. Octavian não conseguiu convencer Antony renunciar dinheiro de César para ele. Durante o verão, ele conseguiu ganhar o apoio de simpatizantes cesariana e também fez comum com os Optimates , os antigos inimigos de César, que o viam como um mal menor e esperava para manipulá-lo. Em setembro, a principal orador Optimate Marcus Tullius Cicero começou a atacar Antony em uma série de discursos retratando-o como uma ameaça para a ordem republicana.

Primeiro conflito com Antony

Busto de Augustus no Musei Capitolini , Roma

Com opinião em Roma voltar-se contra ele e seu ano de poder consular chegando ao fim, Antony tentou passar leis que atribuem a ele a província de Gália Cisalpina . Octavian entretanto construiu um exército particular na Itália, recrutando veteranos cesariana e, em 28 de Novembro, ele ganhou mais de duas das legiões de Antony com a oferta atraente de ganho monetário.

Diante da força grande e capaz de Otaviano, Antony viu o perigo de ficar em Roma e, para alívio do Senado , ele deixou Roma para a Gália Cisalpina, que era para ser entregue a ele em 1 de Janeiro. No entanto, a província já havia sido atribuído a Decimus Junius Brutus Albinus , um dos assassinos de César, que agora se recusou a ceder à Antony. Antony cercaram em Módena e rejeitou as resoluções aprovadas pelo Senado para parar a luta. O Senado não tinha um exército para impor as suas resoluções. Isso proporcionou uma oportunidade para a Octavian, que já era conhecido por ter forças armadas. Cícero também defendeu Octavian contra provocações de Antônio sobre a falta de linhagem nobre e imitação do nome de Júlio César Otaviano, afirmando que "não temos exemplo mais brilhante da piedade tradicional entre os nossos jovens."

Por insistência de Cícero, o Senado introduzido Octavian como senador em 1 de Janeiro de 43 aC, mas ele também foi dado o poder de votar ao lado dos ex-cônsules. Além disso, Octavian foi concedida propraetor imperium (poder de comando), que legalizou o seu comando das tropas, enviando-o para aliviar o cerco junto com Hirtius e Pansa (os cônsules de 43 aC). Em abril de 43 aC, as forças de Antony foram derrotados nas batalhas de Fórum Gallorum e Módena , forçando Antony a recuar para transalpina Gaul . Ambos os cônsules foram mortos, no entanto, deixando Octavian no único comando de seus exércitos.

O Senado amontoados muitas mais recompensas no Décimo Bruto que em Octavian para derrotar Antony, em seguida, tentou dar o comando das legiões consulares para Décimo Bruto. Em resposta, Otaviano ficado no Vale Po e recusou-se a qualquer auxiliar ainda mais ofensivo contra Antony. Em julho, uma embaixada de centuriões enviados por Otaviano entrou em Roma e exigiram o consulado deixado vago por Hirtius e Pansa e também que o decreto deve ser rescindido que declarou Antony um inimigo público. Quando isso foi recusado, ele marcharam sobre a cidade com oito legiões. Ele encontrou nenhuma oposição militar em Roma, e em 19 de agosto de 43 aC foi eleito cônsul com seu parente Quinto Pédio como co-cônsul. Enquanto isso, Antony formou uma aliança com Lépido , outro líder cesariana.

segundo Triunvirato

proscrições

Roman aureus tendo os retratos de Mark Antony (à esquerda) e Otaviano (direita), emitido em 41 aC para celebrar o estabelecimento do Segundo Triunvirato por Octavian, Antony e Marcus Lepidus em 43 aC. Ambos os lados conter a inscrição "III VIR RP C", que significa "um dos três homens para o regulamento da República".

Em uma reunião perto de Bolonha , em outubro de 43 BC, Octavian, Antony e Lépido formaram o Segundo Triunvirato . Este arrogation explícita de poderes especiais que duram cinco anos foi então legalizado pela lei aprovada pelos plebeus , ao contrário do unofficial Primeiro Triunvirato formado por Pompeu , Júlio César e Crasso . O triunvirato, em seguida, colocada em movimento proscrições , em que entre 130 e 300 senadores e 2.000 equites foram marcados como bandidos e privadas de sua propriedade e, para aqueles que não conseguiram escapar, suas vidas. Este decreto emitido pelo triunvirato foi motivada em parte por uma necessidade de levantar dinheiro para pagar os salários de seus soldados para o próximo conflito contra os assassinos de César, Marcus Junius Brutus e Caio Cássio Longino . Recompensas para sua detenção deu incentivo para os romanos para capturar aqueles proscrito, enquanto os bens e propriedades dos detidos foram apreendidos pelos triunvirato.

Historiadores romanos contemporâneos fornecer relatórios conflitantes a respeito de que triumvir foi o maior responsável pelas proscrições e matança. No entanto, as fontes concordam que decretar as proibições era um meio por todas as três facções para eliminar inimigos políticos. Marco Veleio Patérculo afirmou que Otaviano tentou evitar as autoridades proíbem enquanto Lépido e Antony foram responsáveis por iniciar-los. Cassius Dio defendeu Octavian como tentando poupar o máximo possível, enquanto Antônio e Lépido, sendo mais velho e envolvido na política mais tempo, tinha muitos mais inimigos para lidar com eles.

Este pedido foi rejeitado pela Appian, que sustentou que Octavian compartilhavam um interesse igual com Lépido e Antony para erradicar seus inimigos. Suetônio disse que Octavian estava relutante em proscrever funcionários, mas que perseguirá os seus inimigos com mais vigor do que os outros triunvirato. Plutarco descreveu as proibições como uma troca cruel e impiedoso de amigos e familiares entre Antony, Lépido, e Otaviano. Por exemplo, Octavian permitiu a proscrição de seu aliado Cícero, Antony a proscrição de seu tio materno Lucius Júlio César (o cônsul de 64 aC), e Lépido seu irmão Paullus .

Um denarius cunhadas c. 18 aC. Anverso: CAESAR AVGVSTVS; reverso: DIVVS IVLIV [S] (divina Julius)

Batalha de Filipos e divisão do território

Em 1 de Janeiro de 42 aC, o Senado reconhecido postumamente Júlio César como uma divindade do estado romano, Divus César . Octavian foi capaz de promover sua causa, enfatizando o fato de que ele era Divi filius , "Filho do Divino". Antony e Octavian, em seguida, enviou 28 legiões por mar para enfrentar os exércitos de Brutus e Cassius, que havia construído sua base de poder na Grécia. Depois de duas batalhas em Filipos na Macedônia em outubro de 42, o exército cesariana foi vitorioso e Brutus e Cassius cometido suicídio . Mark Antony depois usou os exemplos dessas batalhas como um meio de diminuir Octavian, já que ambas as batalhas foram decisivamente ganhou com o uso de forças de Antony. Além de reivindicar a responsabilidade por ambas as vitórias, Antony também marca Octavian como um covarde para entregar seu controle militar direto para Marcus Vipsanius Agripa vez.

Depois de Filipe, um novo arranjo territorial foi feita entre os membros do Segundo Triunvirato. Gália e da província de Hispania foram colocados nas mãos de Octavian. Antony viajaram para o leste para o Egito, onde ele aliou-se com a rainha Cleópatra VII , a ex-amante de Júlio César e mãe de filho infantil de César Caesarion . Lépido ficou com a província de África , frustrados por Antony, que admitiu Hispania para Octavian vez.

Octavian foi deixado para decidir onde na Itália para liquidar a dezenas de milhares de veteranos da campanha macedônio, a quem o triunvirato havia prometido para descarregar. As dezenas de milhares de pessoas que haviam lutado no lado republicano com Brutus e Cassius poderia facilmente aliar-se com um adversário político de Otaviano se não for aplacada, e eles também necessário terra. Não havia mais terra controlada pelo governo para dividir isto como assentamentos para seus soldados, assim que Otaviano tinha que escolher uma das duas opções: alienando muitos cidadãos romanos confiscando suas terras, ou alienando muitos soldados romanos que poderia montar uma oposição considerável contra ele no coração Roman. Octavian escolheu a primeira. Não foram até dezoito cidades romanas afectadas pelas novas colónias, com populações inteiras expulsos ou, pelo menos, dado despejos parciais.

Rebelião e casamento alianças

Houve insatisfação generalizada com Octavian sobre esses assentamentos de seus soldados, e isso incentivou muitos a reunir ao lado de Lucius Antonius , que era irmão de Marco Antônio e apoiada pela maioria no Senado. Enquanto isso, Octavian pediu o divórcio de Clódia Pulchra , a filha de Fulvia (esposa de Mark Antony) e seu primeiro marido Publius Clodius Pulcher . Ele voltou Clódia a sua mãe, alegando que seu casamento nunca tinha sido consumado. Fulvia decidiu agir. Juntamente com Lucius Antonius, ela levantou um exército na Itália para lutar pelos direitos de Antony contra Octavian. Lúcio e Fulvia fez uma aposta política e marcial na oposição Octavian, no entanto, uma vez que o exército romano ainda dependia o triunvirato de seus salários. Lúcio e seus aliados acabou em um cerco defensivo em Perusia (moderna Perugia ), onde Octavian os forçou a se render no início de 40 aC.

Pinturas a fresco no interior da Casa de Augusto , a sua residência durante o seu reinado como imperador.

Lucius e seu exército foram poupados, devido ao seu parentesco com Antony, o homem forte do Oriente, enquanto Fulvia foi exilado para Sicyon . Octavian não mostrou misericórdia, no entanto, para a massa de aliados leais ao Lucius; em 15 de março, o aniversário do assassinato de Júlio César, que tinha 300 senadores romanos e cavaleiros executados para aliar-se com Lúcio. Perusia também foi saqueada e queimada como um aviso para os outros. Este evento sangrenta manchada reputação de Otaviano e foi criticado por muitos, como Augusto poeta Sextus Propertius .

Sexto Pompeu , filho de Pompeu e ainda um general renegado após a vitória de Júlio César sobre seu pai, havia se estabelecido na Sicília e Sardenha como parte de um acordo alcançado com o Segundo Triunvirato em 39 aC. Ambos Antony e Octavian foram disputando uma aliança com Pompeu. Otaviano conseguiu uma aliança temporária em 40 aC, quando ele se casou com Escribónia , uma irmã ou filha de Lucius Scribonius Libo , que era o pai-de-lei para Pompeu. Escribónia deu à luz a única filha natural do Octavian, Julia , que nasceu no mesmo dia que ele se divorciou dela para se casar com Livia Drusilla , pouco mais de um ano depois de seu casamento.

Enquanto no Egito, Antony tinha sido envolvido em um caso com Cleópatra e era pai de três filhos com ela. Ciente de sua deterioração da relação com Otaviano, Antony deixado Cleópatra; ele partiu para a Itália, em 40 aC, com uma grande força para se opor a Octavian, sitiando Brundisium. Este novo conflito provou insustentável tanto para Octavian e Antony, no entanto. Seus centuriões, que se tornaram figuras importantes politicamente, se recusou a lutar pela sua causa cesariana, enquanto as legiões sob seu comando seguiram o exemplo. Enquanto isso, em Sicyon, a esposa de Antony Fulvia morreu de uma doença súbita, enquanto Antony estava a caminho para encontrá-la. A morte de Fulvia e o motim de seus centuriões permitiu que os dois triunvirato restantes para efetuar uma reconciliação.

No outono de 40, Octavian e Antony aprovou o Tratado de Brundisium, pelo qual Lépido permaneceria na África, Antony no Oriente, Octavian no Ocidente. A península italiana foi deixado aberto a todos para o recrutamento de soldados, mas, na realidade, esta disposição foi inútil para Antony no Oriente. Para ainda mais as relações de cimento de aliança com Marco Antônio, Otaviano deu a sua irmã, Octavia Minor , em casamento a Antony no final de 40 aC. Durante seu casamento, Octavia deu à luz duas filhas (conhecido como Antonia, o Velho, e Antonia, o Jovem ).

Guerra com Pompeu

Um denário de Sexto Pompeu , cunhadas por sua vitória sobre a frota de Octavian, no anverso o Pharus de Messina , que derrotou Octavian, no reverso, o monstro Scylla

Sexto Pompeu ameaçado Octavian na Itália, negando embarques de grãos através do Mar Mediterrâneo até a península. Próprio filho Pompeu foi encarregado como comandante naval no esforço para causar fome generalizada na Itália. Controle Pompeu sobre o mar o levou a assumir o nome Neptuni filius 'filho de Netuno '. Um acordo de paz temporária foi alcançado em 39 aC com o tratado de Misenum ; o bloqueio a Itália foi levantada uma vez Octavian concedido Pompeu Sardenha, Córsega , Sicília, e o Peloponeso , e assegurou-lhe uma posição futuro como cônsul 35 aC.

O acordo territorial entre o triunvirato e Sexto Pompeu começou a desintegrar-se uma vez Octavian divorciada Escribónia e se casou com Livia em 17 de janeiro de 38 aC. Um dos comandantes navais Pompeu traído e entregue a Córsega ea Sardenha para Octavian. Otaviano não tinha os recursos para enfrentar Pompeu sozinho, no entanto, assim que foi alcançado um acordo com a extensão do Segundo Triunvirato por um novo período de cinco anos com início em 37 aC.

Ao apoiar Octavian, Antony deverá ganhar apoio para sua própria campanha contra o Império Parto , desejando vingar de Roma derrota em Carrhae em 53 BC. Em um acordo alcançado em Tarento , Antony forneceu 120 navios para Octavian para usar contra Pompeu, enquanto Otaviano foi enviar 20.000 legionários para Antony para uso contra Partia. Octavian enviou apenas um décimo dos que prometeu, no entanto, que Antony visto como uma provocação intencional.

Octavian e Lépido lançou uma operação conjunta contra Sexto na Sicília, em 36 aC. Apesar dos reveses para Octavian, a frota naval de Sexto Pompeu foi quase inteiramente destruída em 3 de setembro por Agripa geral da naval Batalha de Nauloco . Sexto fugiram para o leste, com suas forças restantes, onde ele foi capturado e executado em Mileto por um dos generais de Antony no ano seguinte. Como Lépido e Octavian aceitou a rendição das tropas Pompeu, Lépido tentou reivindicar Sicília para si mesmo, ordenando Octavian para sair. Tropas Lépido o abandonaram, no entanto, e desertou para Octavian uma vez que eles estavam cansados de lutar e foram atraídos por promessas de dinheiro de Otaviano.

Lépido se rendeu a Octavian e foi permitido para manter o cargo de Pontifex Maximus (cabeça do colégio dos padres), mas foi expulso do Triunvirato, sua carreira pública em uma extremidade e, efetivamente, foi exilado para uma villa em Cape Circei na Itália. Os domínios romanos foram agora divididos entre Octavian no Ocidente e Antony no Oriente. Octavian assegurada cidadãos dos seus direitos de propriedade de Roma, a fim de manter a paz ea estabilidade na sua porção do Império. Desta vez, ele se estabeleceu seus soldados descarregados fora da Itália, ao mesmo tempo, retornando 30.000 escravos aos seus antigos proprietários-escravos romanos que tinham fugido para se juntar exército e da marinha Pompeu. Octavian teve o Senado conceder-lhe, sua esposa, e sua irmã tribunal imunidade , ou sacrosanctitas , a fim de garantir a sua própria segurança ea de Livia e Octavia uma vez que ele retornou a Roma.

Guerra com Antony and Cleopatra

Anthony and Cleopatra , por Lawrence Alma-Tadema
A batalha de Actium , por Laureys uma Castro , pintado 1672, National Maritime Museum , em Londres.

Enquanto isso, a campanha de Antony virou desastrosa contra Partia, manchando sua imagem como um líder, e os meros 2.000 legionários enviados por Octavian para Antony foram quase o suficiente para repor suas forças. Por outro lado, Cleópatra poderia restaurar seu exército com força total; ele já estava envolvido em um caso romântico com ela, então ele decidiu enviar Octavia de volta a Roma. Otaviano usou isso para espalhar propaganda que implica que Antony estava se tornando menos de Roman porque ele rejeitou um cônjuge Roman legítimo para um "Oriental amante ". Em 36 aC, Otaviano usou uma manobra política para se fazer parecer menos autocrático e Antony mais o vilão, proclamando que as guerras civis foram chegando ao fim, e que ele iria renunciar como triumvir-se ao menos Antony faria o mesmo. Antony recusou.

Tropas romanas capturou o reino de Arménia em 34 aC, e Antony fez o seu filho Alexander Helios o governante da Armênia. Ele também recebeu o título de " Rainha dos Reis " a Cleópatra , atos que Octavian usado para convencer o Senado romano que Antony tinha ambições para diminuir a preeminência de Roma. Otaviano se tornou cônsul, mais uma vez em 1 de Janeiro de 33 aC, e ele abriu a sessão seguinte no Senado com um ataque veemente sobre os subsídios de títulos e territórios para seus parentes e para a sua rainha de Antony.

A brecha entre Antony e Octavian levou a uma grande parte dos senadores, bem como os dois cônsules daquele ano, a deixar Roma e defeito de Antony. No entanto, Octavian recebeu dois desertores chave de Antony no outono de 32 BC: Munatius Planco e Marco Tício. Esses desertores deu Octavian as informações que ele precisava para confirmar com o Senado todas as acusações que ele fez contra Antony.

Otaviano entrou à força o templo das Virgens Vestais e apreendeu vontade secreta de Antony, que ele prontamente divulgado. A vontade teria dado afastado territórios romanos-conquistado como reinos de seus filhos, para governar, e designado Alexandria como o local para um túmulo para ele e sua rainha. No final de 32 aC, o Senado revogou oficialmente os poderes de Antony como cônsul e declarou guerra contra o regime de Cleópatra no Egito.

Este mid-primeiro-século aC pintura de parede romana em Pompeia , Itália, mostrando Venus segurando um cupido é mais provável uma representação de Cleópatra VII do Egito ptolomaico como Venus Genetrix , com seu filho Caesarion como o cupido, similar na aparência ao agora estátua perdida de Cleópatra erguido por Júlio César no Templo de Vénus Genetrix (dentro do Fórum de César ). O proprietário da casa de Marcus Fabius Rufus em Pompéia murado fora da sala com esta pintura, provavelmente em reação imediata à execução de Caesarion em ordens de Augusto em 30 aC, quando representações artísticas de Caesarion teria sido considerado uma questão sensível para o regime no poder.

No início de 31 aC, António e Cleópatra foram temporariamente estacionados na Grécia quando Octavian obteve uma vitória preliminar: a marinha transportados com sucesso tropas através do mar Adriático , sob o comando de Agripa. Agripa cortado principal força de Antony and Cleopatra de suas rotas de abastecimento no mar, enquanto Octavian desembarcou no continente em frente à ilha de Corcyra (moderna Corfu ) e marchou para o sul. Preso em terra e mar, desertores do exército de Antony fugiu para o lado de Octavian diária, enquanto as forças de Otaviano foram confortável o suficiente para fazer os preparativos.

A frota de Antony navegou através da baía de Actium , na costa ocidental da Grécia em uma tentativa desesperada de se libertar do bloqueio naval . Foi lá que a frota de Antony enfrentou o muito maior frota de navios menores, mais manobráveis sob comandantes Agripa e Caio Sósio na batalha de Actium em 2 de setembro 31 aC. Antony e suas forças restantes foram poupados apenas devido a um último esforço pela frota de Cleópatra que estava esperando nas proximidades.

Aureus de Octavian, por volta de 30 aC, Museu Britânico

Octavian perseguiu e derrotou suas forças em Alexandria a 1 de Agosto 30 aC-depois que Antônio e Cleópatra cometeu suicídio . Antony caiu sobre sua própria espada e foi levado por seus soldados de volta para Alexandria, onde morreu nos braços de Cleópatra. Cleópatra morreu logo depois, supostamente pela picada venenosa de um asp ou veneno. Octavian tinha explorado sua posição como herdeiro de César para continuar a sua própria carreira política, e ele estava bem ciente dos perigos em permitir que outra pessoa a fazer o mesmo. Ele, portanto, seguiu o conselho de Ário Dídimo que "dois Caesars são um demasiados", ordenando Caesarion , filho de Júlio César por Cleópatra, mortos, enquanto poupando os filhos de Cleópatra Antony, com exceção dos de Antony filho mais velho . Octavian já tinha demonstrado pouco de misericórdia aos inimigos se renderam e agiu de maneiras que tinha provado impopular entre o povo romano, no entanto, ele foi dado o crédito para perdoar muitos de seus oponentes depois da batalha de Actium.

governante único de Roma

Depois de Actium e da derrota de Antony and Cleopatra, Octavian estava em uma posição para governar a República inteira sob um unofficial principado -mas ele tinha de conseguir isso através de ganhos de potência incrementais. Ele fez isso por cortejar o Senado e as pessoas sem deixar de preservar as tradições republicanas de Roma, aparecendo que não estava aspirando a ditadura ou monarquia. Marchando para Roma, Otaviano e Marco Agripa foram eleitos como dupla cônsules pelo Senado.

Anos de guerra civil deixou Roma em um estado de anarquia próximo, mas a República não estava preparado para aceitar o controle de Octavian como um déspota. Ao mesmo tempo, Octavian não poderia simplesmente desistir de sua autoridade sem arriscar mais guerras civis entre os generais romanos e, mesmo que ele desejava nenhuma posição de autoridade, sua posição exigia que ele olhar para o bem-estar da cidade de Roma e as províncias romanas . Objetivos de Otaviano deste ponto em diante foram para retornar Roma a um estado de estabilidade, legalidade tradicional, e civilidade, levantando a pressão política ostensiva imposta aos tribunais de justiça e assegurar eleições-in gratuito nome, pelo menos.

primeiro assentamento

Em 27 aC, Otaviano fez um show de retorno pleno poder ao Senado romano e abandonar seu controle sobre as províncias romanas e seus exércitos. Sob seu consulado, no entanto, o Senado tinha pouco poder na iniciativa legislativa através da introdução de contas para o debate senatorial. Octavian não estava mais no controle direto das províncias e os seus exércitos, mas ele manteve a lealdade dos soldados da ativa e veteranos igualmente. As carreiras de muitos clientes e adeptos dependia de sua patrocínio , como o seu poder financeiro foi inigualável na República Romana. Historiador Werner Eck afirma:

A soma de seu poder derivado antes de tudo a partir de vários poderes do escritório delegada a ele pelo Senado e as pessoas, em segundo lugar de sua imensa fortuna pessoal, e em terceiro lugar a partir de inúmeras relações patrão-cliente, ele estabeleceu com indivíduos e grupos em todo o Império. Todos eles tomadas em conjunto formaram a base de seus auctoritas , que ele mesmo enfatizou como a base de suas ações políticas.

Em grande medida, o público estavam cientes dos vastos recursos financeiros que Octavian comandados. Ele não conseguiu incentivar senadores suficientes para financiar a construção e manutenção de redes de estradas em Itália, em 20 aC, mas ele assumiu a responsabilidade direta para eles. Esta foi divulgado sobre a moeda romana emitido em 16 aC, depois que ele doou grandes quantidades de dinheiro para o aerarium Saturni , o tesouro público.

Octavian como magistrado. Cabeça de mármore da estátua foi feita c. 30-20 aC, o corpo esculpido no século 2 dC ( Louvre , Paris ).

De acordo com HH Scullard, no entanto, o poder de Octavian foi baseada no exercício de "uma potência militar predominante e ... a sanção final de sua autoridade era força, por mais que o fato estava disfarçado."

O Senado propôs a Octavian, o vencedor de guerras civis de Roma, que ele mais uma vez assumir o comando das províncias. A proposta do Senado foi uma ratificação de poder extra-constitucional de Otaviano. Através do Senado, Octavian foi capaz de continuar a aparência de um ainda-funcional constituição . Fingindo relutância, aceitou a responsabilidade de dez anos de supervisionar províncias que foram considerados caótico.

As províncias cedidos a ele por esse período de dez anos compreendido grande parte do mundo Romano conquistou, incluindo todos Hispania e Gália, Síria , Cilícia , Chipre e Egito . Além disso, o comando destas províncias fornecido Octavian com controle sobre a maioria das legiões de Roma.

Enquanto Octavian atuou como cônsul em Roma, ele despachou senadores para as províncias sob seu comando como seus representantes para gerir os assuntos provinciais e garantir que suas ordens foram realizadas. As províncias não está sob controle de Otaviano foram supervisionados pelos governadores escolhidos pelo Senado romano. Otaviano se tornou a figura política mais poderosa na cidade de Roma e na maioria de suas províncias, mas ele não tem o monopólio do poder político e marcial.

O Senado ainda controlavam o Norte de África, uma importante região produtora de grãos , bem como Ilíria e Macedônia, duas regiões estratégicas com várias legiões. No entanto, o Senado tinha o controle de apenas cinco ou seis legiões distribuídos entre três proconsuls senatoriais, em comparação com os vinte legiões sob o controle de Octavian e seu controle dessas regiões não correspondia a qualquer desafio político ou militar a Octavian.

O controle do Senado sobre algumas das províncias romanas ajudou a manter uma fachada republicano para o Principado autocrático. Além disso, o controle de províncias inteiras de Otaviano seguido precedentes republicano da época para o objetivo de assegurar a paz ea criação de estabilidade, em que tais Romanos proeminentes como Pompeu havia sido conferidos poderes militares semelhantes em tempos de crise e instabilidade.

Alterar a Augusto

Em 16 de janeiro de 27 aC o Senado deu Octavian os novos títulos de Augustus e Princeps . Augustus é da palavra latina Augere (ou seja, para aumentar) e pode ser traduzido como "aquele ilustre". Era um título de autoridade religiosa em vez de autoridade política. De acordo com as crenças religiosas romanas, o título simbolizava um selo de autoridade sobre a humanidade e, de facto, a natureza-que ia além de qualquer definição constitucional de seu status. Após os métodos severos empregados em consolidar seu controle, a mudança de nome serviu para demarcar seu reinado benigno como Augustus de seu reinado de terror como Octavian.

O Arco de Augusto em Rimini (Ariminum), dedicado a Augusto pelo Senado romano em 27 aC, o mais antigo arco do triunfo romano

Seu novo título de Augusto também foi mais favorável do que Romulus , o anterior que ele denominou de si mesmo em referência à história do lendário fundador de Roma , que simbolizava uma segunda fundação de Roma. O título de Romulus foi associado muito fortemente com noções de monarquia e realeza, uma imagem que Otaviano tentou evitar. Princeps vem da frase em latim caput primum "o primeiro cabeça", originalmente significava o senador mais antigo ou mais distinto cujo nome iria aparecer em primeiro lugar na senatorial roster . No caso de Augusto, no entanto, tornou-se um título quase de reinado para um líder que foi o primeiro responsável. Princeps tinha sido também um título, sob a República para aqueles que tinham servido o estado bem; por exemplo, Pompeu realizada a título.

Augustus denominou-se também como Imperator Caesar filius divi , "Commander Caesar filho de um deificado". Com este título, ele se gabou sua ligação familiar a deificado Júlio César, eo uso de Imperator significou uma ligação permanente à tradição romana da vitória. A palavra César era apenas um cognome para um ramo da família Julian , ainda Augustus transformado Caesar em uma nova linha de família que começou com ele.

Augusto foi concedido o direito de pendurar o civica corona acima de sua porta, a "coroa cívica" feito de carvalho, e ter louros armar seus umbrais. Esta coroa foi normalmente realizada acima da cabeça de um general romano durante um triunfo , com o indivíduo segurando a coroa cobrado para repetir continuamente para o geral " memento mori ", ou "Lembre-se que você é mortal". Além disso, coroas de louros foram importantes em várias cerimónias de Estado, e coroas de louro foram recompensados aos campeões de atletismo, corridas e concursos dramáticos. Assim, tanto o loureiro eo carvalho eram símbolos integrantes da religião romana e política; colocando-os em ombreiras de Augusto era equivalente a declarar sua casa da capital.

No entanto, Augustus renunciou exibindo insígnia de energia, como segurando um cetro , usando um diadema , ou vestindo a coroa de ouro e púrpura toga de seu antecessor Júlio César. Se ele se recusou a simbolizar seu poder, vestindo e tendo esses itens em sua pessoa, o Senado, no entanto, concedeu-lhe com um escudo dourado exibido no salão de reunião da Curia , com a inscrição virtus , pietas , clementia , iustitia - "valor, piedade , clemência e justiça."

segundo assentamento

Retratos de Augustus mostrar o imperador com características idealizadas

Em 23 aC, algumas das implicações un-republicanos estavam se tornando aparente relativa à resolução de 27 aC. Retenção de um consulado anual de Augusto chamou a atenção para o seu de facto o domínio sobre o sistema político romano, e cortar em metade das oportunidades para os outros para conseguir o que ainda era nominalmente a posição preeminente no estado romano. Além disso, ele estava causando problemas políticos por desejar ter seu sobrinho Marco Cláudio Marcelo seguir seus passos e, eventualmente, assumir o Principado, por sua vez, alienando seus três maiores apoiantes - Agripa, Mecenas , e Livia. Sentindo a pressão de seu grupo central de seguidores, Augusto virou-se para o Senado para obter ajuda.

Ele designou observou republicano Calpurnius Piso como co-cônsul em 23 aC, depois de sua escolha Aulus Terêncio Varro Murena (que tinha lutado contra Júlio César e apoiado Cassius e Brutus) foi executado em consequência de seu envolvimento no caso de Marcus Primus, com um olho para reforçar o seu apoio entre os republicanos.

No final da primavera Augusto sofreu uma doença grave, e em seu leito de morte supostamente feito acordos que garantam a continuação do Principado de alguma forma, enquanto dissipar as suspeitas de seu anti-republicanismo dos senadores. Augustus preparado para entregar para baixo seu anel de sinete de seu general favorecido Agripa. No entanto, Augustus entregou a seu co-cônsul Piso todos os seus documentos oficiais, um relato das finanças públicas, e autoridade sobre as tropas listados nas províncias, enquanto sobrinho supostamente favorecido Augusto Marcellus veio de mãos vazias. Esta foi uma surpresa para muitos que acreditavam Augustus teria chamado um herdeiro para a sua posição como um imperador não oficial.

Augusto concedeu apenas as propriedades e bens para seus herdeiros designados, como um sistema óbvia de herança imperial institucionalizada teria provocado resistência e hostilidade entre os romanos republicanos pensam medo de monarquia. Com relação ao Principado, era óbvio para Augusto, para que Marcelo não estava pronto para assumir sua posição; No entanto, ao dar seu anel de sinete a Agripa, Augustus pretende sinalizar para as legiões que Agripa era para ser seu sucessor, e esse procedimento constitucional, não obstante, eles devem continuar a obedecer Agripa.

O Blacas Cameo mostrando Augustus vestindo uma gorgoneion em três camadas sardônica cameo, AD 20-50

Logo após sua luta da doença diminuiu, Augusto desistiu de seu consulado. As únicas outras vezes Augustus serviriam como cônsul seria nos anos 5 e 2 aC, ambas as vezes para introduzir seus netos na vida pública. Esta foi uma manobra inteligente por Augusto; deixando de servir como um dos dois cônsules eleitos anualmente permitido aspirantes senadores uma melhor chance de alcançar a posição consular, permitindo Augustus exercer patrocínio mais amplo dentro da classe senatorial. Embora Augusto tinha renunciou ao cargo de cônsul, ele desejava manter a sua consular imperium não apenas em suas províncias, mas todo o império. Este desejo, bem como o Marcus Primus Caso, levou a um segundo compromisso entre ele eo Senado conhecido como o segundo assentamento.

principais razões para a Segunda liquidação

As principais razões para o segundo assentamento foram os seguintes. Em primeiro lugar, depois de Augusto abandonou o consulado anual, ele não está mais em uma posição oficial era para governar o estado, mas sua posição dominante permaneceu inalterada sobre os romanos, províncias 'imperial', onde ele ainda era um procônsul . Quando ele realiza anualmente o cargo de cônsul, ele tinha o poder de intervir nos assuntos dos outros proconsuls provinciais nomeados pelo Senado por todo o império, quando considerado necessário. Quando ele abandonou o seu consulado anual, ele legalmente perdeu esse poder, porque seus poderes proconsulares aplicada apenas a suas províncias imperiais. Augustus queria manter este poder.

Um segundo problema mais tarde surgiu mostrando a necessidade do segundo assentamento no que ficou conhecido como o "Marcus Primus Affair". No final de 24 ou início de 23 aC, acusações foram feitas contra Marcus Primus, o ex-procônsul (governador) da Macedónia, para travar uma guerra sem a aprovação prévia do Senado na Odrysian reino de Trácia , cujo rei era um aliado romano. Ele foi defendida por Lucius Lucinius Varro Murena , que disse ao julgamento que seu cliente tinha recebido instruções específicas de Augusto, ordenando-lhe para atacar o estado do cliente. Mais tarde, Primus testemunhou que as ordens vieram do Marcellus recentemente falecido.

Tais ordens, se tivessem sido dado, teria sido considerado uma violação da prerrogativa do Senado sob o acordo constitucional de 27 aC e suas consequências, ou seja, antes foi concedida Augustus imperium proconsulare Maius -como Macedônia era uma província senatorial sob a jurisdição do Senado, não uma província imperial sob a autoridade de Augusto. Tal ação teria arrancado o verniz da restauração republicana, como a promovida por Augusto, e exposto sua fraude de simplesmente ser o primeiro cidadão, um primeiro entre iguais. Pior ainda, o envolvimento de Marcellus fornecido alguma medida de prova de que a política de Augusto era ter a juventude tomar seu lugar como Princeps, instituindo uma forma de monarquia - acusações que já tinha jogado fora.

Augustus como Jove , segurando um cetro e orbe (primeira metade do século 1 dC)

A situação era tão grave que o próprio Augusto apareceu no julgamento, mesmo que ele não tinha sido chamado como testemunha. Sob juramento, Augusto declarou que ele não deu tal ordem. Murena desacreditaram o testemunho de Augusto e se ressentiam da sua tentativa de subverter o julgamento usando seus auctoritas . Ele grosseiro exigiu saber por que Augustus tinha aparecido a um julgamento ao qual ele não havia sido chamado; Augusto respondeu que veio do interesse público. Embora Primus foi considerado culpado, alguns jurados votaram pela absolvição, o que significa que nem todo mundo acredita testemunho, um insulto ao 'Augustus Uma Agosto'.

A Segunda acordo constitucional foi concluída em parte para acalmar a confusão e formalizar autoridade legal Augustus' para intervir na província senatorial. O Senado concedeu Augustus uma forma de geral proconsulare imperium , ou imperium proconsular (poder) que aplicado por todo o império, não apenas para suas províncias. Além disso, o senado aumentada imperium proconsular Augusto em maius proconsulare imperium , ou imperium proconsular aplicável em toda a império que era mais (maius) ou maior do que a realizada por outros procónsules. Isso na verdade deu Augustus poder constitucional superior a todas as outras proconsuls do império. Augustus ficado em Roma, durante o processo de renovação e desde veteranos com doações luxuosos de ganhar o seu apoio, garantindo assim que seu status de Maius imperium proconsular foi renovada em 13 aC.

poderes adicionais

Durante a segunda liquidação, Augusto também foi concedido o poder de uma tribuna ( potestas tribunicia ) para a vida, embora não o título oficial da tribuna. Durante alguns anos, Augusto tinha sido atribuído tribunicia sacrosanctitas , a imunidade dada a uma Tribune da plebe . Agora, ele decidiu assumir os plenos poderes da magistratura, renovadas anualmente, em perpetuidade. Legalmente, foi fechado para patrícios , um status que Augusto tinha adquirido alguns anos antes, quando adotada por Júlio César.

Esse poder lhe permitiu convocar o Senado e as pessoas à vontade e colocar negócios diante deles, para vetar as ações de qualquer Assembleia ou o Senado, para presidir as eleições, e falar primeiro em qualquer reunião. Também estão incluídos no autoridade tribunician Augusto eram poderes normalmente reservados para o censor romano ; estas incluíam o direito de fiscalizar a moral pública e examinar as leis para garantir que eles estavam no interesse público, bem como a capacidade de realizar um censo e determinar a composição do Senado.

Com os poderes de um censor, Augusto apelou para virtudes do patriotismo Roman, proibindo todos os trajes, mas a toga clássico ao entrar no Fórum. Não havia precedentes dentro do sistema romano para combinar os poderes da tribuna eo censor em uma única posição, nem foi Augustus já eleito para o cargo de censor. Júlio César tinha sido conferidos poderes semelhantes, no qual ele foi acusado de supervisionar a moral do Estado. No entanto, esta posição não se estendia à capacidade do censor de realizar um censo e determinar roster do Senado. O mandato dos plebis tribunus começou a perder seu prestígio devido à acumulação de poderes do tribunal de Augusto, para que ele reviveu sua importância, tornando-a um compromisso obrigatório para qualquer plebeu desejando o pretor .

Cabeça de Augusto como Pontifex Maximus , arte romana do período de Augusto tarde, última década do século 1 aC

Augusto foi concedido único imperium dentro da própria cidade de Roma, além de ser concedido Maius imperium proconsular e autoridade tribunician para a vida. Tradicionalmente, procônsules (governadores província romana) perderam o seu "imperium" proconsular quando eles cruzaram o Pomerium - a fronteira sagrada de Roma - e entraram na cidade. Nestas situações, Augusto teria poder como parte de sua autoridade tribunician mas seu império constitucional dentro do Pomerium seria menor do que a de um cônsul de servir. Isso significaria que, quando ele estava na cidade, ele não pode ser o juiz constitucional com a maior autoridade. Graças ao seu prestígio ou auctoritas , seus desejos normalmente seria obedecida, mas pode haver alguma dificuldade. Para preencher este vácuo de poder, o Senado votou que Augusto Maius imperium proconsulare (poder proconsular Superior) não deve caducar quando estava dentro dos muros da cidade. Todas as forças armadas na cidade tinha sido anteriormente sob o controle dos pretores e cônsules urbanos, mas esta situação agora colocou-os sob a única autoridade de Augusto.

Além disso, o crédito foi dado a Augusto para cada vitória militar romana posterior após este tempo, porque a maioria dos exércitos de Roma estavam estacionados nas províncias imperiais comandadas por Augustus através dos legatus que estavam deputados dos princeps nas províncias. Além disso, se uma batalha foi travada em uma província Senatorial, Augusto Maius imperium proconsular lhe permitiu assumir o comando de (ou crédito) por qualquer grande vitória militar. Isto significava que Augusto era o único indivíduo capaz de receber um triunfo, uma tradição que começou com Rômulo, primeiro rei de Roma e primeiro general triunfante. Lucius Cornelius Balbo era o último homem fora da família de Augusto para receber este prêmio, em 19 aC. (Balbo era sobrinho de grande agente de Júlio César, que era governador da África e conquistador dos garamantes .) Tibério, filho mais velho de Augusto pelo casamento com Livia, era o único outro general para receber um triunfo-de vitórias em Germania em 7 BC.

Conspiração

Uma estátua colossal de Augusto do Augusteum de Herculano , sentados e uma coroa de louro .

Muitas das sutilezas políticas do segundo assentamento parecem ter escapado a compreensão da classe Plebeu, que eram maiores apoiantes e clientela Augusto. Isso fez com que eles insistem em participação de Augusto nos assuntos imperiais ao longo do tempo. Augusto não conseguiu concorrer à eleição de cônsul em 22 aC, e medos surgiu mais uma vez que estava sendo forçada do poder pelo Senado aristocrático. Em 22, 21 e 19 aC, as pessoas se revoltaram em resposta, e só é permitido um único cônsul a ser eleito para cada um desses anos, supostamente para deixar a outra posição aberta para Augusto.

Da mesma forma, houve uma escassez de alimentos em Roma, em 22 aC, o que provocou pânico, enquanto muitos plebe urbana pediu Augustus para assumir poderes ditatoriais para supervisionar pessoalmente a crise. Depois de uma exibição teatral de recusa perante o Senado, Augustus finalmente aceitou autoridade sobre entrega dos grãos de Roma "em virtude de sua proconsular imperium ", e terminou a crise quase que imediatamente. Não foi até 8 AD que uma crise alimentar deste tipo solicitado Augustus estabelecer uma annonae praefectus , um monitor permanente que estava no comando de aquisição de suprimentos de comida para Roma.

Havia alguns que estavam preocupados com a expansão dos poderes concedidos a Augustus pela Segunda Settlement, e isso veio à tona com a aparente conspiração de Fannius Caepio. Algum tempo antes de 1 de setembro 22 aC, um certo Castricius fornecida Augustus com informações sobre uma conspiração liderada por Fannius Caepio. Murena foi nomeado entre os conspiradores, o cônsul franco que defendeu Primus no Marcus Primus affair. Os conspiradores foram julgados à revelia com Tibério actua como acusador; o júri considerou-os culpados, mas não foi um veredicto unânime. Todos os acusados foram condenados à morte por traição e executado tão logo eles foram capturados, sem nunca dar testemunho em sua defesa. Augusto assegurou que a fachada de governo republicano continuou com um cover-up eficaz dos eventos.

Em 19 aC, o Senado concedeu Augustus uma forma de 'imperium consular geral', que foi, provavelmente, 'imperium consulare Maius', como os poderes proconsulares que recebeu em 23 aC. Como sua autoridade tribuna, os poderes consulares foram outra instância de ganhar o poder de escritórios que ele não chegou a segurar. Além disso, Augustus foi autorizado a usar a insígnia do cônsul em público e perante o Senado, bem como para se sentar na cadeira simbólica entre os dois cônsules e mantenha os fasces , um emblema da autoridade consular. Isto parece ter acalmado a população; independentemente de haver ou não Augusto era um cônsul, a importância era que ambos apareceram como um diante do povo e poderia exercer o poder consular, se necessário. Em 6 de 12 de março aC, após a morte de Lépido , ele também assumiu o cargo de Pontifex Maximus, o sumo sacerdote do colégio dos Pontífices, a posição mais importante na religião romana. Em 5 de Fevereiro ano 2 aC, Augusto também foi dado o título pai da pátria , ou "pai da pátria".

Estabilidade e poder de permanência

Uma razão final para o segundo assentamento foi dar ao Principado estabilidade constitucional e poder de permanência em caso de algo aconteceu com Princeps Augusto. Sua doença de início 23 aC e a conspiração Caepio mostrou que a existência do regime pendurado pelo fio fino da vida de um homem, o próprio Augusto, que sofria de várias doenças graves e perigosas ao longo de sua vida. Se ele estivesse a morrer de causas naturais ou ser vítima de assassinato, Roma poderia ser submetido a uma nova rodada de guerra civil. As memórias de Pharsalus, The Ides of March, as proscrições, Philippi, e Actium, quase vinte e cinco anos distantes, ainda estavam vivas nas mentes de muitos cidadãos. Imperium proconsular foi conferido Agripa por cinco anos, semelhante ao poder de Augusto, a fim de realizar essa estabilidade constitucional. A natureza exata da subvenção é incerto, mas provavelmente coberto províncias imperiais Augusto, leste e oeste, talvez falte autoridade sobre as províncias do Senado. Que veio mais tarde, como fizeram os potestas tribunicia zelosamente guardados.

Acúmulo de poderes de Augusto foram agora completa. Na verdade, ele namorou seu 'reinado' a partir da conclusão da Segunda Settlement, 1º de julho 23 CB. Quase tão importante, o Principado agora tinha estabilidade constitucional. Mais tarde imperadores romanos eram geralmente limitados aos poderes e títulos originalmente concedidos a Augustus, embora muitas vezes Emperors recém-nomeados cairia um ou mais dos honorifics dadas a Augustus, a fim de mostrar humildade. Assim como muitas vezes, como seus reinados progrediu, imperadores se apropriar todos os títulos, independentemente de terem sido concedidos-los pelo Senado. Mais tarde Emperors começou a usar a coroa cívica, insignia consular, e as vestes roxas de um general Triumphant ( picta toga ), que se tornou a insígnia imperial bem no Bizantino era.

Guerra e expansão

O avanço vitorioso de Hermann , representação do 9 AD Batalha da Floresta de Teutoburg , por Peter Janssen de 1873

Augustus escolheu Imperator ( "comandante vitorioso") para ser seu primeiro nome, já que ele queria fazer uma conexão enfaticamente clara entre ele e a noção de vitória e, consequentemente, ficou conhecido como Imperator Caesar Divi Filius Augustus Até o ano de 13, Augusto gabava 21 ocasiões em que suas tropas proclamados "imperator", como seu título depois de uma batalha bem sucedida. Quase todo o quarto capítulo em suas memórias divulgados publicamente de realizações conhecidas como a Res Gestae foi dedicada a suas vitórias militares e honrarias.

Augusto também promoveu o ideal de uma civilização romana superior com uma tarefa de governar o mundo (na medida em que os romanos sabiam disso), um sentimento encarnada em palavras que o poeta contemporâneo Virgílio atribui a um antepassado legendário de Augusto: tu regere imperio populos, Romane, lembrança - "Roman, lembre-se pela sua força para governar os povos da Terra!" O impulso para o expansionismo era aparentemente destaque entre todas as classes em Roma, e é concedido sanção divina por Júpiter de Virgílio no Livro 1 da Eneida , onde Júpiter promete Roma imperium bem sine "soberania sem fim".

Até o final do seu reinado, os exércitos de Augusto tinha conquistado Hispania norte (moderna Espanha e Portugal) e as Alpine regiões do Raetia e Noricum (moderna Suíça, Baviera, Áustria, Eslovénia), Illyricum e Pannonia (atual Albânia, Croácia, Hungria , Sérvia, etc.), e tinha estendido as fronteiras da província de África para o leste e sul.

Busto de Tiberius , um comandante militar bem-sucedida sob Augusto, antes que ele foi designado como seu herdeiro e sucessor

Judéia foi adicionado à província da Síria , quando Augustus deposto Herodes Arquelau , sucessor do cliente rei Herodes, o Grande (73-4 aC). Síria (como o Egito depois de Antony) era governado por um alto prefeito da classe equestre, em vez de por um procônsul ou legado de Augusto.

Mais uma vez, era necessário nenhum esforço militar em 25 aC, quando Galácia (Turquia moderna) foi convertida em uma província romana logo após Amintas da Galácia foi morto por uma viúva vingança de um príncipe que foi morto desde Homonada. As tribos rebeldes de Asturias e Cantabria na atual Espanha foram finalmente subjugados em 19 aC , e o território caiu sob as províncias de Hispania e Lusitânia . Esta região provou ser um trunfo importante no financiamento de futuras campanhas militares de Augusto, como era rica em depósitos minerais que podem ser promovidas em romanos mineração projetos, especialmente os muito ricos de ouro depósitos em Las Medulas .

Muziris no Chera Unido do sul da Índia , como mostrado na Tabula Peutingeriana , com descrição de um "Templo de Augusto" ( "Templum Augusti"), uma ilustração de relações indo-romanos no período

Conquistando os povos dos Alpes, em 16 aC foi mais uma vitória importante para Roma, uma vez que forneceu um grande buffer territorial entre os cidadãos romanos de inimigos Itália e Roma está em Germania para o norte. Horace dedica uma ode à vitória, enquanto o monumento Troféu de Augusto , perto Monaco foi construído para homenagear a ocasião. A captura da região alpina também serviu a próxima ofensiva em 12 aC, quando Tibério começou a ofensiva contra as tribos Panónia da Ilíria, e seu irmão Nero Claudius Drusus movida contra as tribos germânicas do leste da Renânia . Ambas as campanhas foram bem sucedidos, como forças Druso chegou ao Elbe rio por 9 BC-se ele morreu pouco depois de cair de seu cavalo. Foi registrado que a piedosa Tibério andou na frente do corpo de seu irmão todo o caminho de volta para Roma.

A parta retornando um aquila , alívio na couraça heróica do Augusto de Prima Porta estátua

Para proteger territórios orientais de Roma a partir do Império Parto , Augusto contou com os Estados clientes do Oriente para atuar como territoriais buffers e áreas que possam aumentar suas próprias tropas para a defesa. Para garantir a segurança do flanco oriental do Império, Augusto estacionado um exército romano na Síria, enquanto sua hábil enteado Tibério negociado com os partos como diplomata de Roma para o Oriente. Tibério foi responsável pela restauração Tigranes V ao trono do Reino da Armênia.

No entanto, sem dúvida, sua maior conquista diplomática estava negociando com Fraates IV de Partia (37-2 aC) em 20 aC para o retorno dos padrões de batalha perdidos por Crasso na Batalha de Carras , uma vitória simbólica e grande impulso de moral para Roma. Werner Eck afirma que esta foi uma grande decepção para os romanos que procuram vingar a derrota de Crasso por meios militares. No entanto, Maria Brosius explica que Augusto usado o retorno dos padrões como propaganda simbolizando a apresentação de Partia para Roma. O evento foi comemorado na arte tais como a concepção couraça na estátua Augusto de Prima Porta e em monumentos como o Templo de Marte Ultor ( ' Marte o Vingador ') construído para abrigar as normas.

Partia sempre representava uma ameaça a Roma, no leste, mas a frente de batalha real era ao longo das Reno e Danúbio rios. Antes da luta final com Antony, campanhas de Otaviano contra as tribos em Dalmácia foram o primeiro passo na expansão domínios romanos para o Danúbio. Vitória na batalha nem sempre foi um sucesso permanente, como territórios recém-conquistados estavam constantemente retomada pelos inimigos de Roma em Germania.

Um bom exemplo de perda romana na batalha foi a Batalha de Floresta de Teutoburgo , em 9 dC, onde três legiões inteiras lideradas por Públio Quintílio Varo foram destruídos por Armínio , líder do Cherusci , um aliado romano aparente. Augustus retaliou enviando Tibério e Druso para a Renânia para pacificar-lo, que teve algum êxito, embora a batalha de 9 AD trouxe o fim a expansão romana na Alemanha. General romano Germanicus aproveitou de uma guerra civil Cherusci entre Armínio e Segestes ; eles derrotaram Armínio, que fugiu aquela batalha, mas foi morto mais tarde, em 21, devido à traição.

Morte e sucessão

A doença de Augusto em 23 aC trouxe o problema da sucessão para a vanguarda de questões políticas e ao público. Para garantir a estabilidade, ele precisava para designar um herdeiro para a sua posição privilegiada na sociedade romana e do governo. Este era para ser alcançado em pequenas, pouco dramático, e incrementais maneiras que não se mexeu medos senatoriais de monarquia. Se alguém estava a suceder posição oficial de Augusto de poder, ele teria que ganhá-lo através de seus próprios méritos comprovados publicamente.

Alguns historiadores de Augusto argumentam que as indicações apontavam para filho de sua irmã Marcellus , que tinha sido rapidamente casado com a filha de Augusto Julia, o Velho . Outros historiadores disputam esta devido a Augustus' vontade que está sendo lido em voz alta para o Senado, enquanto ele estava gravemente doente em 23 aC, em vez indicando uma preferência por Marco Agripa, que era de Augusto segundo no comando e sem dúvida o único de seus associados que poderiam ter controlavam as legiões e segurou o Império juntos.

Depois da morte de Marcellus em 23 aC, Augusto se casou com sua filha para Agripa. Esta união produziu cinco filhos, três filhos e duas filhas: Caio César , Lúcio César , Vipsania Julia , Agripina , e Póstumo Agripa , assim chamado porque ele nasceu depois de Marco Agripa morreu. Logo após a Segunda Settlement, Agripa foi concedido um prazo de administrar a metade oriental do Império com o de cinco anos imperium de um procônsul e os mesmos potestas tribunicia concedidos a Augustus (embora não trumping autoridade Augusto), seu assento de governança estacionados em Samos no leste do Mar Egeu . Esta concessão de poder mostrou favor de Augusto para Agripa, mas também era uma medida para agradar membros do seu partido cesariana, permitindo que um de seus membros para compartilhar uma quantidade considerável de poder com ele.

Intenção de Augusto tornou-se aparente para fazer Caio e Lúcio César seus herdeiros, quando ele adotou como seus próprios filhos. Ele tomou o consulado em 5 e 2 aC para que ele pudesse pessoalmente inaugurar-los em suas carreiras políticas, e eles foram nomeados para os consulships de 1 AD e 4. Augustus também mostrou favor a seus enteados, filhos de Livia de seu primeiro casamento Nero Claudius Drusus Germanicus (doravante referida como Druso) e Tiberius Claudius (doravante Tibério), concedendo-lhes comandos militares e cargos públicos, embora parecendo favorecer Druso. Depois Agripa morreu em 12 aC, Tibério foi condenado a se divorciar de sua própria esposa Vipsania Agrippina e se casar com a viúva de Agripa, filha de Augusto Julia-assim que um período de luto por Agripa tinha terminado. Casamento Druso para Antonia Minor foi considerado um caso inquebrável, enquanto Vipsania era 'apenas' a filha do falecido Agripa de seu primeiro casamento.

Tibério compartilhada em poderes tribune Augustus' a partir de 6 aC, mas logo em seguida entrou na aposentadoria, supostamente querer não mais papel na política, enquanto ele se exilou para Rhodes . Nenhuma razão específica é conhecida por sua partida, embora pudesse ter sido uma combinação de razões, incluindo um casamento fracassado com Julia, bem como um sentimento de inveja e exclusão ao longo aparente favorecimento de seus jovens Augusto netos que virou filhos Caio e Lucius. (Caio e Lúcio se juntou à faculdade de padres em tenra idade, foram apresentados aos espectadores em uma luz mais favorável, e foram introduzidas para o exército na Gália.)

Após a morte precoce de ambos Lucius e Gaius em 2 e 4 AD, respectivamente, e a morte antes de seu irmão Druso (9 aC), Tibério foi chamado de volta a Roma, em 4, onde ele foi adotado por Augusto com a condição de junho AD, que ele por sua vez, adotar seu sobrinho Germanicus . Este continuou a tradição de apresentar pelo menos duas gerações de herdeiros. Naquele ano, Tibério também foi concedido os poderes de uma tribuna e procônsul, emissários de reis estrangeiros teve que pagar seus respeitos a ele, e em 13 AD foi premiado com seu segundo triunfo e igual nível de imperium com o de Augusto.

O Augusto deificado paira sobre Tibério e outros Julio-Claudians na Grande Cameo da França

O único outro pretendente possível como herdeiro foi Póstumo Agripa, que tinha sido exilado por Augusto em 7 dC, seu banimento tornada permanente por decreto senatorial, e Augusto deserdou oficialmente. Ele certamente caiu em desgraça Augusto como um herdeiro; o historiador Erich S. Gruen observa várias fontes contemporâneas que estado Póstumo Agripa era um "homem jovem vulgar, brutal e brutal, e do caráter depravado". Póstumo Agripa foi assassinado em seu local de exílio pouco antes ou depois da morte de Augusto.

Em 19 de Agosto 14 dC, Augusto morreu enquanto visitava Nola onde seu pai tinha morrido. Ambos Tácito e Cássio Dio escreveu que Livia foi rumores de ter provocado a morte de Augusto por envenenamento figos frescos. Este elemento apresenta em muitas obras modernas de ficção histórica pertencente a Augusto vida, mas alguns historiadores vê-lo como provável que tenha sido uma invenção salacious feita por aqueles que tinham favorecido Póstumo como herdeiro, ou outro de Tibério inimigos políticos. Livia tinha sido alvo de rumores semelhantes de envenenamento sobre o nome de seu filho, não são susceptíveis de ter sido verdade a maioria ou todos os quais.

Como alternativa, é possível que Livia fez fornecer um figo envenenado (ela fez cultivar uma variedade de fig chamado para ela que Augusto se diz ter apreciado), mas fê-lo como um meio de suicídio assistido em vez de assassinato. saúde de Augusto tinha estado em declínio nos meses imediatamente antes de sua morte, e tinha feito os preparativos significativos para uma transição suave no poder, tendo, finalmente, relutantemente liquidada em Tiberius como seu escolha do herdeiro. É provável que Augusto não era esperado para voltar vivo de Nola, mas parece que sua saúde melhorou uma vez lá; tem, portanto, sido especulado que Augustus e Livia conspiraram para acabar com sua vida no momento previsto, ter cometido todos processo político para aceitar Tiberius, a fim de não pôr em perigo essa transição.

Famosas últimas palavras de Augusto foram: 'Eu já desempenhou o papel bem? Então aplaudir como eu sair' -referring à encenação e autoridade real que ele tinha colocado como imperador. Publicamente, porém, suas últimas palavras foram: "Eis que eu encontrei Roma de barro, e deixá-la a você de mármore." Uma enorme procissão funerária de pranteadores viajou com corpo de Augusto de Nola a Roma, e no dia do seu enterro todas as empresas públicas e privadas fechado para o dia. Tibério e seu filho Druso entregou o elogio ao estar no topo de dois rostra . Corpo de Augusto foi caixão-bound e cremado em uma pira perto de seu mausoléu . Proclamou-se que Augusto se juntou à companhia dos deuses como membro do Roman panteão . O mausoléu foi espoliada pelos godos em 410 durante o Saque de Roma , e suas cinzas foram espalhadas.

Historiador DCA Shotter afirma que a política de favorecer a linha da família Julian sobre o Claudian Augustus' pode ter proporcionado Tibério causa suficiente para mostrar desdém aberto para Augustus após a morte deste último; em vez disso, Tibério foi sempre rápido para repreender aqueles que criticaram Augusto. Shotter sugere que Augusto deificação obrigado Tiberius para suprimir qualquer ressentimento aberto que ele poderia ter abrigado, juntamente com Tibério atitude 'extremamente conservadora' para com a religião.

Além disso, historiador R. Shaw-Smith aponta para cartas de Augustus a Tibério que mostrar carinho para Tibério e grande respeito por seus méritos militares. Shotter afirma que Tiberius focou sua raiva e críticas sobre Caio Asínio Gallus (para se casar com Vipsania após Augustus forçou Tiberius se divorciar dela), bem como para as duas Caesars jovens, Caio e Lúcio, em vez de Augusto, o arquiteto real de seu divórcio e rebaixamento imperial.

Legado

A Virgem Maria com o Menino, a profetisa Sibila Tivoli inferior esquerdo e o imperador Augusto no canto inferior direito, a partir da Très Riches Heures du duc de Berry . A semelhança de Augusto é a do imperador bizantino Manuel II Paleólogo
O cameo Augustus no centro da medieval Cruz de Lotário

Reinado de Augusto lançou as bases de um regime que durou, de uma forma ou de outra, por quase 1.500 anos através do último declínio do Império Romano do Ocidente e até que a queda de Constantinopla em 1453. Ambos seu sobrenome adotiva, César, e sua título Augustus tornaram-se os títulos permanentes dos governantes do Império romano durante quatorze séculos depois de sua morte, em uso, tanto em Roma Antiga e na Nova Roma . Em muitas línguas, César tornou-se a palavra para o Imperador , como no alemão Kaiser e na Bulgária e, posteriormente, russo Tsar (às vezes Csar ou Czar). O culto de Divus Augustus continuou até a religião oficial do Império foi mudado para o cristianismo em 391 por Teodósio I . Consequentemente, há muitos excelentes estátuas e bustos do primeiro imperador. Ele tinha composto um relato de suas realizações, a Res Gestae Divi Augusti , a ser inscritas em bronze na frente de seu mausoléu . Cópias do texto foram inscritos em todo o Império após a sua morte. As inscrições em latim contou com traduções em grego ao lado dele, e foram inscritos em muitos edifícios públicos, tais como o templo em Ankara apelidado de Monumento de Ancira , chamada de "rainha das inscrições" pelo historiador Theodor Mommsen .

Há algumas obras escritas conhecidos por Augustus que sobreviveram, como seus poemas Sicília , Epifânio , e Ajax , uma autobiografia de 13 livros, um tratado filosófico, e sua réplica por escrito para Brutus' Eulogy de Cato . Os historiadores são capazes de analisar as letras existentes escritas por Augustus aos outros para fatos adicionais ou pistas sobre sua vida pessoal.

Muitos consideram Augustus ser maior imperador de Roma; suas políticas, certamente, estendeu a vida útil do Império e iniciou o célebre Pax Romana ou Pax Augusta . O Senado romano desejou imperadores posteriores a " ser mais sorte do que Augusto e melhor do que Trajano ". Augusto era inteligente, decisivo, e um político astuto, mas ele não era talvez tão carismático como Júlio César, e foi influenciado na ocasião por sua terceira esposa, Livia (às vezes para pior). No entanto, seu legado provou mais duradouro. A cidade de Roma foi totalmente transformada sob Augusto, com o primeiro de Roma institucionalizada força policial , combate a incêndios força, e o estabelecimento do municipal prefeito como um escritório permanente. A polícia foi dividido em grupos de 500 homens cada, enquanto as unidades de bombeiros variou de 500 a 1.000 homens cada, com 7 unidades atribuídas a 14 setores cidade dividida.

A vigilum praefectus , ou "Prefeito da Watch" foi colocado no comando dos vigiles , brigada de incêndio de Roma e da polícia. Com as guerras civis de Roma no fim, Augusto também foi capaz de criar um exército permanente para o Império Romano, fixado em um tamanho de 28 legiões de cerca de 170.000 soldados. Este foi apoiado por numerosos auxiliares unidades de 500 soldados não-cidadãos cada, muitas vezes recrutados de áreas recentemente conquistados. Eles geralmente igualado ou ligeiramente ultrapassado em número as legiões.

Com suas finanças garantir a manutenção de estradas em toda a Itália, Augusto também instalou um funcionário do correio sistema de estações retransmissoras supervisionado por um oficial militar conhecido como o vehiculorum praefectus . Além do advento da comunicação mais rápida entre as sociedades italianas, sua extensa construção de estradas em toda a Itália também permitiu que os exércitos de Roma para marchar rapidamente e em um ritmo sem precedentes em todo o país. No ano 6 Augusto estabeleceu a militare aerarium , doando 170 milhões de sestércios para o novo tesouro militar que forneceu para ambos os soldados ativos e aposentados.

Uma das instituições mais duradouras de Augustus foi o estabelecimento da Guarda Pretoriana em 27 aC, originalmente uma unidade de guarda-costas pessoal no campo de batalha que evoluiu para um guarda imperial, bem como uma importante força política em Roma. Eles tinham o poder de intimidar o Senado, instalar novos imperadores, e depor os que não gostavam; o último imperador que servido foi Maxentius , como era Constantino I que eles se desfez no início do século 4 e destruiu seus quartéis, o Castro Pretório .

Augusto em uma representação de estilo egípcio, uma escultura em pedra do Templo de Kalabsha no Nubia

Embora o indivíduo mais poderoso no Império Romano, Augustus queria encarnar o espírito da virtude republicana e normas. Ele também queria se relacionar e se conectar com as preocupações da plebe e leigos. Ele conseguiu isso através de vários meios de generosidade e uma volta de corte do excesso sumptuosos. No ano 29 aC, Augusto deu 400 sestércios (igual a 1/10 de uma libra romana de ouro) cada 250.000 cidadãos, 1.000 sestércios cada 120.000 veteranos nas colônias, e gastou 700 milhões de sestércios na compra de terras para seus soldados se determinar. Ele também restaurou 82 templos diferentes para mostrar seus cuidados para o panteão romano de deuses. Em 28 aC, ele derreteu-se 80 estátuas de prata erguidas à sua semelhança e em homenagem a ele, uma tentativa de seu aparecer frugal e modesto.

Coin de Kushan governante Kujula Kadphises , no estilo do imperador romano Augusto. Museu Britânico

A longevidade do reinado de Augusto e seu legado para o mundo romano não deve ser ignorado como um fator chave para o seu sucesso. Como Tácito escreveu, as gerações mais jovens vivos no ano 14 dC nunca tinha conhecido qualquer forma de diferente do Principado governo. Teve Augusto morreu no início (em 23 aC, por exemplo), as questões poderiam ter sido diferentes. O atrito das guerras civis na velha oligarquia republicana ea longevidade de Augusto, portanto, deve ser visto como principais factores que contribuem para a transformação do estado romano em um de facto monarquia nestes anos. Própria experiência de Augusto, sua paciência, seu tato e sua perspicácia política também desempenhou as suas partes. Ele dirigiu o futuro do Império para baixo muitos caminhos duradouros, da existência de um exército profissional que está estacionado em ou perto das fronteiras, ao princípio dinástico tantas vezes empregada na sucessão imperial, para o embelezamento da capital às custas do imperador. Legado final de Augusto foi a paz ea prosperidade do Império apreciado para os próximos dois séculos sob o sistema que ele iniciou. Sua memória foi consagrado na ethos político da época imperial como um paradigma do bom imperador. Cada imperador de Roma adotou seu nome, César Augusto, que gradualmente perdeu seu caráter como um nome e, eventualmente, tornou-se um título. Os poetas da era de Augusto Virgílio e Horácio elogiou Augustus como um defensor de Roma, um defensor da justiça moral, e uma pessoa que suportou o peso da responsabilidade em manter o império.

No entanto, para o seu governo de Roma e estabelece o principado, Augusto também foi alvo de críticas ao longo dos tempos. O jurista romana contemporânea Marcus Antistio Labeo (d. AD 10/11), Amante de dias de pré-republicano Augusto liberdade em que ele nascera, criticou abertamente o regime de Augusto. No início de seus Anais , o historiador romano Tácito (c. 56-c.117) escreveu que Augusto tinha astuciosamente subvertido Roma republicana em uma posição de escravidão. Ele continuou a dizer que, com a morte e juramento de lealdade para com Tibério Augusto, o povo de Roma simplesmente trocou um senhor de escravos para o outro. Tácito, no entanto, registra dois pontos de vista contraditórios, mas comuns de Augustus:

As pessoas inteligentes elogiado ou criticado ele em formas variadas. Uma opinião era a seguinte. dever filial e uma emergência nacional, em que não havia lugar para a conduta cumpridores da lei, o levara a guerra civil, e este não pode nem ser iniciada ou mantida por métodos decentes. Ele tinha feito muitas concessões para Anthony e Lépido por uma questão de vingança contra os assassinos de seu pai. Quando Lépido envelheceu e preguiçoso, e auto-indulgência de Anthony levou a melhor sobre ele, a única cura possível para o país distraído tinha sido governo por um homem. No entanto, Augustus tinha colocado o estado para não fazendo-se rei ou ditador, mas com a criação do Principado. fronteiras do Império estavam no oceano, ou rios distantes. Exércitos, províncias, frotas, todo o sistema foi interrelacionados. cidadãos romanos eram protegidos pela lei. Provincials foram decentemente tratada. a própria Roma tinha sido profusamente embelezada. Força tinha sido moderação usadas-meramente para preservar a paz para a maioria.

Fragmento de uma estátua equestre em bronze de Augusto, século 1 dC, Museu Arqueológico Nacional de Atenas
Virgil ler a Eneida para Augusto e Octavia , por Jean-Joseph Taillasson de 1787

De acordo com o segundo opinião contrária:

dever filial e crise nacional tinha sido apenas pretextos. Na verdade, o motivo de Otávio, o futuro Augusto, foi sede de poder ... Não tinha sido certamente a paz, mas era uma paz manchada de sangue de desastres e assassinatos.

Em uma biografia de 2006 sobre Augusto, Anthony Everitt afirma que ao longo dos séculos, os julgamentos sobre o reinado de Augusto têm oscilado entre esses dois extremos, mas salienta que:

Os opostos não tem que ser mutuamente exclusivos, e nós não somos obrigados a escolher um ou outro. A história de sua carreira mostra que Augusto era realmente cruel, cruel e ambicioso para si mesmo. Este foi apenas em parte uma característica pessoal, por classe alta romanos foram educados para competir uns com os outros e para se destacar. No entanto, ele combinou uma preocupação primordial para os seus interesses pessoais com um patriotismo profundo, com base em uma nostalgia das virtudes antigos de Roma. Na sua qualidade de princeps , egoísmo e altruísmo coexistiram em sua mente. Enquanto lutando pelo domínio, ele deu pouca atenção à legalidade ou para as cortesias normais da vida política. Ele foi desonesto, indigno de confiança, e sanguinário. Mas uma vez que ele havia estabelecido sua autoridade, ele governou de forma eficiente e justa, geralmente permitida a liberdade de expressão, e promoveu o Estado de direito. Ele era imensamente trabalhador e tentou tão duro como qualquer democrática parlamentar para tratar seus colegas senadores com respeito e sensibilidade. Ele sofria de nenhuma ilusão de grandeza.

Tácito era da crença de que Nerva (r. 96-98) com sucesso "se misturaram duas ideias anteriormente alienígenas, principado e liberdade". O historiador do século 3-Cassius Dio reconheceu Augustus como um governante benigna, moderada, mas como a maioria dos outros historiadores após a morte de Augusto, Dio visto Augustus como um autocrata . O poeta Marcus Annaeus Lucanus (AD 39-65) era da opinião de que a vitória de César sobre Pompeu e da queda do Cato o mais novo (95 aC-46 aC) marcou o fim da liberdade tradicional em Roma; historiador Chester G. Starr, Jr. escreve sobre seu evitar criticar Augusto, "talvez Augusto era sagrado demais uma figura para acusar diretamente."

O Anglo-Irish escritor Jonathan Swift (1667-1745), em seu Discurso sobre os concursos e dissensões em Atenas e Roma , criticou Augusto para a instalação de tirania sobre Roma, e comparou o que ele acreditava Grã-Bretanha virtuoso 's monarquia constitucional a República moral de Roma do século 2 aC. Em sua crítica de Augusto, o almirante e historiador Thomas Gordon (1658-1741) em comparação Augustus ao tirano puritano Oliver Cromwell (1599-1658). Thomas Gordon eo filósofo francês político Montesquieu (1689-1755) tanto comentou que Augusto era um covarde em batalha. Em suas Memórias do Tribunal de Augustus , o estudioso escocês Thomas Blackwell (1701-1757) considerado Augustus um governante maquiavélico "um usurpador reivindicativo sanguinário", "um espírito médio" "má e inútil", e um "tirano".

reformas de receita

Coin de Augusto encontrada no Puducotai tesouro, a partir de um país Tamil antiga , Pandyan Unido da atual Tamil Nadu , na Índia, um testemunho de comércio Indo-romana . Museu Britânico

Públicas Augusto receita reformas teve um grande impacto no sucesso posterior do Império. Augusto trouxe uma muito maior parcela da base de terra expandida do Império sob tributação consistente, direto de Roma, em vez de exigir variados, homenagens intermitentes, e um tanto arbitrárias de cada província local como antecessores Augusto tinha feito. Essa reforma aumentou consideravelmente a receita líquida da Roma de suas aquisições territoriais, estabilizou o seu fluxo, e regularizada a relação financeira entre Roma e as províncias, em vez de provocar ressentimentos frescos a cada nova exigência arbitrária de tributo.

As medidas de tributação no reinado de Augusto foram determinadas pelo censo da população, com quotas fixas para cada província. Os cidadãos de Roma e Itália pagou impostos indirectos, enquanto os impostos directos foram exigiu das províncias. Impostos indirectos incluídos um imposto de 4% sobre o preço dos escravos, um imposto de 1% sobre os bens vendidos em leilão, e um imposto de 5% sobre a herança de propriedades avaliadas em mais de 100.000 sestércios por outros do que a pessoas de parentes próximos .

1º moeda século da Himyarite Unido, costa sul da Península Arábica . Esta é também uma imitação de uma moeda de Augusto.

Uma reforma igualmente importante foi a abolição do privado agrícola imposto , que foi substituído por fiscais do serviço civil assalariados. Empreiteiros privados que recolhiam impostos para o Estado eram a norma na era republicana. Alguns deles eram poderosos o suficiente para influenciar o número de votos para homens correndo para escritórios em Roma. Esses agricultores fiscais chamados publicanos eram famosos por suas depredações, grande riqueza privada e o direito de tributar áreas locais.

A receita da Roma igualou o montante das propostas vencedoras para exploração dos impostos. os lucros dos agricultores fiscais consistiu em montantes adicionais que poderiam forçosamente torcer a partir da população com a bênção de Roma ou fechar os olhos. Falta de supervisão eficaz, combinado com o desejo dos agricultores fiscais para maximizar os seus lucros, produziu um sistema de exigências arbitrárias considerados muito justamente como barbaramente cruel para os contribuintes, injusto, e muito prejudiciais ao investimento e da economia.

O uso de imensas rendas da terra do Egito para financiar as operações do Império resultou de conquista de Augusto do Egito ea mudança para uma forma romana de governo. Como foi efetivamente considerada propriedade privada Augustus' em vez de uma província do Império, tornou-se parte de patrimonium de cada imperador sucesso. Em vez de um legado ou procônsul, Augustus instalado um monitor da classe equestre para administrar o Egito e manter seus portos lucrativos; esta posição se tornou a maior conquista política para qualquer equestre além de se tornar prefeito da Guarda Pretoriana . A terra agrícola altamente produtiva do Egito renderam receitas enormes que estavam disponíveis para Augusto e seus sucessores para pagar obras públicas e expedições militares, bem como pão e circo para a população de Roma.

Durante o seu reinado os jogos de circo resultou na morte de 3.500 elefantes .

Mês de agosto

O mês de agosto (do latim: Augusto ) tem o nome de Augustus; até que seu tempo foi chamado Sextilis (chamado assim porque tinha sido o sexto mês do original calendário romano ea palavra Latin para seis é sexo ). Lore comumente repetida tem que agosto tem 31 dias, porque Augustus queria que seu mês para igualar o comprimento de julho de Júlio César, mas esta é uma invenção do erudito do século 13 Johannes de Sacrobosco . Sextilis na verdade tinha 31 dias antes de ser renomeado, e não foi escolhido por seu comprimento (ver calendário juliano ). De acordo com um consultum senatus citado por Macrobius , Sextilis foi renomeado para homenagear Augustus porque vários dos eventos mais significativos da sua ascensão ao poder, culminando com a queda de Alexandria, caiu nesse mês.

projetos de construção

Fechar-se sobre o detalhe esculpido das Ara Pacis (Altar da Paz), 13 aC e 9 aC

No leito de morte, Augusto gabava "Encontrei uma Roma de tijolos, deixo-lhe uma das mármore." Embora haja alguma verdade no sentido literal desta, Cassius Dio afirma que era uma metáfora para a força do Império. Marble poderia ser encontrado em edifícios de Roma antes de Augusto, mas não foi amplamente utilizado como material de construção até o reinado de Augusto.

Embora isso não se aplica às Subura favelas, que ainda estavam tão frágil e propensa ao fogo, como sempre, ele deixou uma marca sobre a topografia monumental do centro e do Campo de Marte , com o Ara Pacis (Altar da Paz) e relógio monumental, cujo centro gnomon era um obelisco levado do Egito. Os alívio esculturas decoram as Ara Pacis visualmente aumentou o registro escrito de triunfos Augusto na Res Gestae . Seus relevos representado os concursos imperiais dos pretorianos , as vestais, e os cidadãos de Roma.

Ele também construiu o Templo de César , o Termas de Agripa , eo Fórum de Augusto com o seu Templo de Marte Ultor . Outros projetos ou foram encorajados por ele, como o Teatro de Balbo , e construção do de Agripa Pantheon , ou financiados por ele em nome de outros, muitas vezes as relações (por exemplo, Portico de Octavia , Teatro de Marcelo ). Até mesmo seu Mausoléu de Augusto foi construída antes de sua morte para membros da casa de sua família.

Para comemorar sua vitória na batalha de Actium, o Arco de Augusto foi construída em 29 aC perto da entrada do Templo de Castor e Pollux , e ampliou em 19 aC para incluir um projeto triple-arco. Há também muitos edifícios fora da cidade de Roma, que levam o nome eo legado de Augusto, como o Teatro de Mérida , na Espanha moderna, a Maison Carrée construído em Nîmes , no sul da França de hoje, bem como o Troféu de Augusto em La Turbie , localizado perto de Monaco .

O Templo de Augustus e Livia em Vienne , no final do século 1 aC

Após a morte de Agripa em 12 aC, uma solução tinha que ser encontrada na manutenção do sistema de abastecimento de água de Roma. Isto aconteceu porque ele foi supervisionado por Agripa, quando ele serviu como edil, e até foi financiado por ele depois, quando ele era um cidadão privado pagando por sua própria conta. Naquele ano, Augusto organizou um sistema em que o Senado designado três de seus membros como comissários principais responsáveis ​​pelo abastecimento de água e para garantir que aquedutos de Roma não caiu em desuso.

Na era de Augusto tarde, a comissão de cinco senadores chamado de curatores locorum publicorum iudicandorum (traduzido como "supervisores da propriedade pública") foi encarregado de manter a prédios públicos e templos do culto do Estado. Augusto criado o grupo senatorial do curatores viarum (traduzido como "supervisores para estradas") para a manutenção de estradas; esta comissão senatorial trabalhou com funcionários e empreiteiros locais para organizar reparos regulares.

A ordem coríntia de estilo arquitectónico originário da Grécia antiga era o estilo arquitetônico dominante na era de Augusto e a fase imperial de Roma. Suetônio comentou uma vez que Roma era indigno de seu status como uma capital imperial, contudo Augusto e Agripa estabelecido para desmantelar este sentimento, transformando a aparência de Roma sobre o modelo grego clássico.

aparência física e imagens oficiais

O Chefe Meroë de Augusto, bronze retratos Roman busto de Meroë , reino de Kush ( Nubia , moderno Sudão), 27-25 aC

Seu biógrafo Suetônio, escrevendo cerca de um século após a morte de Augusto, descreveu sua aparência como:" ... excepcionalmente bonito e extremamente graciosa em todos os períodos de sua vida, embora ele se importava nada para adorno pessoal Estava tão longe de ser particular sobre. o curativo de seu cabelo, que ele teria vários barbeiros que trabalham com pressa, ao mesmo tempo, e quanto a sua barba, ele agora tinha cortado e agora raspada, enquanto ao mesmo tempo ele seria ou lendo ou escrevendo alguma coisa. .. Ele tinha olhos claros e brilhantes ... seus dentes eram afastados, pequenas e mal conservados; seu cabelo era ligeiramente encaracolado e inclinado a ouro; as sobrancelhas conheceu seus ouvidos eram de tamanho moderado, e seu nariz projetava um. pouco no topo e depois inclinou-se ligeiramente para dentro. sua pele era entre o escuro e justo. ele era de estatura baixa, embora Julius Marathus, seu liberto e detentor de seus registros, diz que ele tinha cinco pés e nove polegadas (pouco menos de 5 ft. 7 pol., ou 1,70 metros, em heigh moderna medições t), mas isso foi ocultado pela proporção bem e simetria de sua figura, e foi perceptível apenas por comparação com alguma pessoa mais alta pé ao lado dele ... "acrescentando que" seus sapatos [eram] um pouco alto de sola, para fazê-lo parecer mais alto do que ele realmente era". A análise científica de vestígios de tinta encontrados em suas estátuas oficiais mostram que ele provavelmente tinha cabelos castanhos claros e olhos (seu cabelo e olhos eram retratados como a mesma cor).

Suas imagens oficiais foram muito rigidamente controlado e idealizado, desenho de uma tradição de helenístico retrato real, em vez da tradição de realismo em retratos Roman . Ele apareceu pela primeira vez em moedas com a idade de 19, e de cerca de 29 BC "a explosão no número de retratos de Augusto atesta uma campanha de propaganda concertada destinada a dominar todos os aspectos da vida civil, religiosa, econômica e militar com a pessoa de Augusto". As imagens iniciais, de fato, retratam um homem jovem, mas embora houvesse gradual muda suas imagens permaneceu jovem até que morreu em seus setenta anos, época em que eles tinham "um ar distanciado de majestade eterna". Entre os mais conhecidos de muitos retratos sobreviventes são o Augusto de Prima Porta , a imagem no Ara Pacis, ea Via Labicana Augustus , que lhe mostra como sacerdote. Vários retratos do cameo incluem o Cameo Blacas e Gemma Augustea .

antepassados

descendentes

Augusto única (não adotado) filho biológico era sua filha.

Veja também

Referências

Notas

  1. ^ Grafia latina clássica e reconstruído pronúncia latim clássico dos nomes de Augusto:
    1. GAIVS OCTAVIVS
      IPA:  [ɡaː.i.ʊs ɔktaː.wi.ʊs]
    2. GAIVS IVLIVS CAESAR OCTAVIANVS
      IPA:  [ɡaː.i.ʊs juː.li.ʊs kae̯.sar ɔk.taː.wiaː.nʊs]
    3. IMPERATOR CAESAR Divi F (ILIVS) AVGVSTVS
      IPA:  [ɪm.pɛraː.tɔr kae̯.sar diː.wiː fiː.li.ʊs au̯gʊs.tʊs]
    A ortografia AGVSTVS , indicando a pronúncia[aɡʊs.tʊs] , ocorre em inscrições ( Allen 1965 , p. 61)
  2. ^ As datas de seu governo são datas contemporâneas; Augustus viveu sob dois calendários, o republicano romano até 45 aC, e o Julian depois de 45 aC. Devido a partidas de Júlio César intenções, Augustus terminar de restaurar o calendário juliano 04 março AD, e a correspondência entre o proleptic calendário Juliano e o calendário observado em Roma é incerto antes de 8 aC. (Blackburn & Holford-Strevens 2003: 670-1)
  3. ^ Sua filha Julia morreu em 54 aC .; seu filho Caesarion por Cleópatra não foi reconhecido pelo direito romano e não foi mencionada no testamento.
  4. ^ > Appian estima que 300 senadores foram proscritas, enquanto sua anterior contemporânea Lívio afirmou que apenas 130 senadores haviam sido proscrito.
  5. ^ Ele agiu sob as ordens de Marcelo e Augustus - veja Sul, p. 108 e Eck (2003), p. 55

Citations

Trabalhos citados

  • Allen, William Sidney (1978) [1965]. Vox Latina - um guia para a pronúncia do latim clássico (2ª ed.). Cambridge University Press. ISBN  978-0-521-37936-6 .
  • Ando, Clifford , imperial ideologia e lealdade provincial no Império Romano , University of California Press, 2000.
  • Bivar, ADH (1983). "A história política do Irã Sob o Arsacids", em The Cambridge History of Iran (Vol 3: 1), 21-99. Editado por Ehsan Yarshater. Londres, New York, New Rochelle, Melbourne e Sydney: Cambridge University Press. ISBN  978-0-521-20092-9 .
  • Blackburn, Bonnie e Holford-Strevens, Leofranc. (1999). O companheiro de Oxford ao ano . Imprensa da Universidade de Oxford. Reproduzido com correções 2003.
  • Bourne, Ella. "Augustus como um escritor de cartas", Transações e Anais da Philological Associação Americana (Volume 49, 1918): 53-66.
  • Bowersock, GW (1990). "O Pontificado de Augusto". Em Kurt A. Raaflaub e Mark Toher. Entre República e Império: Interpretações de Augusto e seu principado . Berkeley: University of California Press. pp. 380-94. ISBN  978-0-520-08447-6 .
  • Brosius, Maria. (2006). Os persas: Uma Introdução . London & New York: Routledge. ISBN  978-0-415-32089-4 (hbk).
  • Bunson, Matthew. (1994). Enciclopédia do Império Romano . New York: Fatos sobre Arquivo Inc. ISBN  978-0-8160-3182-5
  • Chisholm, Kitty e John Ferguson. (1981). Roma: A idade Augustan; Um Livro Fonte . Oxford: Oxford University Press, em associação com a Open University Press. ISBN  978-0-19-872108-6
  • Dio, Cassius . (1987) A História Romana: o reinado de Augusto . Traduzido por Ian Scott-Kilvert. Londres: Livros do pinguim. ISBN  978-0-14-044448-3 .
  • Davies, Mark; Swain, Hilary; Davies, Mark Everson, Aspectos da história romana, 82 BC-AD 14: uma abordagem baseada em fonte , Taylor & Francis e-Biblioteca de 2010.
  • Eck, Werner ; traduzido por Deborah Lucas Schneider; material novo por Sarolta A. Takács. (2003) The Age of Augustus . Oxford: Blackwell Publishing (capa dura, ISBN  978-0-631-22957-5 ; paperback, ISBN  978-0-631-22958-2 ).
  • Eder, Walter. (2005). "Augusto e o poder da tradição", em O companheiro de Cambridge à Idade de Augusto (Cambridge Companions ao mundo antigo) , ed. Karl Galinsky, 13-32. Cambridge, MA; New York: Cambridge University Press (capa dura, ISBN  978-0-521-80796-8 ; paperback, ISBN  978-0-521-00393-3 ).
  • Everitt, Anthony (2006) Augusto: A vida de Primeiro Imperador de Roma . Random House Books. ISBN  1-4000-6128-8 .
  • Goldsworthy, Adrian (2014). Augustus: Primeiro Imperador de Roma . New Haven: Yale University Press. ISBN  978-0-300-17827-2 .
  • Verde, Peter (1990). Alexander de Actium: A Evolução Histórica da Era helenística . Helenístico Cultura e Sociedade. Berkeley, CA; Los Angeles; Londres: University of California Press. ISBN  978-0-520-05611-4 .
  • Gruen, Erich S. (2005). "Augustus eo Making of do Principado", em O companheiro de Cambridge à Idade de Augusto (Companheiros de Cambridge ao mundo antigo) , ed. Karl Galinsky, 33-51. Cambridge, MA; New York: Cambridge University Press (capa dura, ISBN  978-0-521-80796-8 ; paperback, ISBN  978-0-521-00393-3 ).
  • Holanda, Richard, Augustus, padrinho da Europa , Sutton Publishing, 2005.
  • Kelsall, Malcolm. "Augusto e Papa", The Huntington Biblioteca Quarterly (Volume 39, Número 2, 1976): 117-131.
  • Mackay, Christopher S. (2004). Roma Antiga: A história militar e política . Cambridge University Press. ISBN  978-0-521-80918-4 .
  • Raaflaub, Kurt A .; Toher, Mark, entre república e império: interpretações de Augusto e seu principado , University of California Press, 1993.
  • Roller, Duane W. (2010). Cleopatra: uma biografia . Oxford: Oxford University Press. ISBN  9780195365535 .
  • Rowell, Henry Thompson. (1962). Os centros da civilização Series: Volume 5; Roma na Idade de Augusto . Norman: University of Oklahoma Press. ISBN  978-0-8061-0956-5
  • Scott, Kenneth. "A propaganda política de 44-30 BC" Memórias da Academia Americana em Roma , Vol. 11, (1933), pp. 7-49.
  • Scullard, HH (1982) [1959]. Do Gracos para o Nero: A História de Roma a partir de 133 aC a 68 dC (. 5ª ed). Londres; New York: Routledge. ISBN  978-0-415-02527-0 .
  • Suetônio, Gaius Tranquillus (2013) [1913]. Thayer, Bill, ed. As Vidas dos Doze Césares . JC Rolfe, trans. Universidade de Chicago. editor original Loeb Classical Library.
  • Suetônio, Caio Tranquillus (1931). Vidas dos Doze Césares . New York: Modern Library.
  • Shaw-Smith, R. "A Letter from Augustus a Tibério", Grécia e Roma (Volume 18, Número 2, 1971): 213-214.
  • Shotter, DCA "Tiberius eo Espírito de Augusto", Grécia e Roma (Volume 13, Número 2, 1966): 207-212.
  • Smith, RRR, "a imagem pública de Licínio I: Escultura Retrato e ideologia imperial no início do quarto século", Jornal de Estudos romanos , Vol. 87, (1997), pp. 170-202, JSTOR
  • Sul, Pat. (1998). Augustus . London: Routledge. ISBN  978-0-415-16631-7 .
  • Starr, Chester G., Jr. "The Perfect Democracia do Império Romano", The American Historical Review (Volume 58, Número 1, 1952): 1-16.
  • Syme, Ronald (1939). A revolução romana . Oxford: Oxford University Press. ISBN  978-0-19-280320-7 .
  • Walker, Susan, e Burnett, Andrew, A Imagem de Augusto de 1981, a British Museum Publications, ISBN  0-7141-1270-4
  • Walker, Susan. " Cleópatra em Pompéia? " Em papéis da Escola Britânica em Roma , 76 (2008), pp. 35-46 e 345-8.
  • Wells, Colin Michael, O Império Romano , Harvard University Press, 2004.

Outras leituras

  • Bleicken, Jochen. (1998). Augusto. Eine Biographie . Berlim.
  • Buchan, John (1937). Augustus . Boston: Houghton Mifflin Co.
  • Everitt, Anthony. O Primeiro Imperador: César Augusto eo triunfo de Roma . Londres: John Murray, 2007. ISBN  978-0-7195-5495-7 .
  • Galinsky, Karl. Cultura Augusto . Princeton, NJ: Princeton University Press, 1998 (paperback, ISBN  978-0-691-05890-0 ).
  • Galinsky, Karl (2012). Augustus: Introdução à vida de um imperador . Cambridge University Press. p. 300. ISBN  978-0-521-74442-3 .
  • Goldsworthy, Adrian (2014) Augustus: Primeiro Imperador de Roma . Yale University Press. ISBN  0-3001-7872-7 .
  • Grant, Michael (1985). Os imperadores romanos: Um Guia Biographical aos Governantes da Roma Imperial, 31 aC - 476 dC . New York: de Charles Scribner Sons.
  • Levick, Barbara. Augustus: Imagem e substância . London: Longman, 2010. ISBN  978-0-582-89421-1 .
  • Lewis, PR e GDB Jones, mineração de ouro romana no noroeste da Espanha , Revista de Estudos romanos 60 (1970): 169-85
  • Jones, RFJ e Pássaro, DG, mineração de ouro romana no noroeste da Espanha, II: Funcionamento no Rio Duerna , Jornal de Estudos romanos 62 (1972): 59-74.
  • Jones, AHM "O Imperium de Augusto", Jornal de Estudos romanos , Vol. 41, Partes 1 e 2. (1951), pp. 112-19.
  • Jones, AHM Augusto . Londres: Chatto & Windus 1970 (paperback, ISBN  978-0-7011-1626-2 ).
  • Massie, Allan (1984). O Caesars . New York: Franklin Watts.
  • Osgood, Josiah. Legado de César: Guerra Civil e do surgimento do Império Romano . New York: Cambridge University Press (EUA), 2006 (capa dura, ISBN  978-0-521-85582-2 ; paperback, ISBN  978-0-521-67177-4 ).
  • Raaflaub, Kurt A. e Toher, Mark (eds.). Entre República e Império: Interpretações de Augusto e seus Principado . Berkeley; Los Angeles: University of California Press, 1993 (paperback, ISBN  978-0-520-08447-6 ).
  • Reinhold, Meyer. A Idade de Ouro de Augusto (Aspectos da Antiguidade) . Toronto, ON: Univ. of Toronto Press, de 1978 (capa dura, ISBN  978-0-89522-007-3 ; paperback, ISBN  978-0-89522-008-0 ).
  • Roebuck, C. (1966). O mundo de tempos antigos . New York: de Charles Scribner Sons.
  • Shotter, DCA (1991). Augusto César . Lancaster panfletos. London: Routledge.
  • Sul, Pat. Augustus (romanas imperiais Biografias) . New York: Routledge, 1998 (capa dura, ISBN  978-0-415-16631-7 ); 2001 (brochura, ISBN  978-0-415-25855-5 ).
  • Zanker, Paul. O poder das imagens na Idade de Augusto (Thomas Spencer Jerome Lectures) . Ann Arbor, MI: University of Michigan Press, 1989 (capa dura, ISBN  978-0-472-10101-6 ); 1990 (brochura, ISBN  978-0-472-08124-0 ).

links externos

Fontes primárias

material de fontes secundárias

Augustus
Nascimento: 23 de setembro de 63 aC Morreu em: 19 de agosto AD 14 
imperadores romanos
Novo escritório Imperador do Império Romano
27 aC - 14 dC
Sucedido por
Tibério
cargos políticos
Precedido por
Aulus Hirtius
Gaius Vibius Pansa Caetronianus
Consul ( Suffect .) Da república romana
43 aC
Com: Quinto Pédio
Sucedido por
Lépido
Lucius Munatius Plancus
Precedido por
Marcus Antonius
Lucius Scribonius Libo
Emílio Lépido Paullus

como Suffect.
Cônsul da República Romana
33 aC
Com: Lucius Volcatius Tullus
Sucedido por
Cneu Domício Enobarbo
Caio Sósio
Precedido por
Cneu Domício Enobarbo
Caio Sósio
Cônsul do Império Romano
31 aC - 23 aC
com: M. Antonio
M. Valerio Messalla Corvinus
M. Licínio Crasso
Sexto Appuleius (II)
M. Vipsanius Agripa
T. Statilius Taurus (I)
M. Iunius Silano
C. Norbanus Flaccus
Gneu Calpurnius Piso
Sucedido por
Marcus Claudius Marcellus Aeserninus
Lucius Arruntius
Precedido por
Décio Laelius Balbus
Gnaeus Antistio Vetus
Cônsul do Império Romano
5 aC
Com: L. Cornelius Sulla
Sucedido por
Caio Calvisius Sabinus
Lucius Passienus Rufus
Precedido por
Lucius Cornelius Lentulus
Marco Valério Messalino
Cônsul do Império Romano
2 aC
Com: Marcus Plautius Silvano
Sucedido por
Cossus Cornelius Lentulus
Lúcio Calpúrnio Pisão
títulos religiosos
Precedido por
Lépido
Pontifex Maximus
12 aC - 14 dC
Sucedido por
Tibério
Informação familiar
Precedido por
Júlio César
Chefe de Julio-Claudian Família
44 aC - 14 dC
Sucedido por
Tibério